Exercícios de Ciências


PROTEÇÃO, CONTROLO E GESTÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 

Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável pdf

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável resumo

Desenvolvimento sustentável pdf

Desenvolvimento sustentavel

1. Agrupamento de Escolas da Sertã Escola Básica Padre António Lourenço Farinha Proteção, Controlo e Gestão Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável Geografia 9º Ano Turma A Maio de 2016
2. Introdução Neste trabalho optámos por abordar o tema da “Proteção, controlo e gestão ambiental para o desenvolvimento sustentável”. Após pesquisa na internet e em livros elaboramos esta apresentação com o objetivo de vos alertar para este assunto.

3. Cismo no Japão em Março de 2011 Promover o Desenvolvimento Sustentável Ao longo da história da humanidade, a ação do homem não tem tido em consideração a utilização equilibrada dos recursos naturais, considerando-os infinitos. Só muito recentemente o Homem tem percebido o impacto das suas ações que são não apenas locais mas sim de influência global. Atualmente a Humanidade atingiu um grau de desenvolvimento industrial e tecnológico que, juntamente com a explosão demográfica, contribuiu para a exploração excessiva dos recursos naturais. Com a crescente produção de resíduos e a constatação de que o modo de exploração dos recursos naturais tem dado origem a riscos naturais e mistos, tem-se dado mais importância às questões ambientais associadas às ações humanas. Todos os países são afectados pelos riscos naturais e mistos. O seu impacto é, no entanto, muito maior nos países em desenvolvimento não só pelo número de mortes, mas também pela fraca capacidade de subsistência dos sobreviventes da catástrofe. Surge então a preocupação com a implementação de um novo modelo de desenvolvimento. Este assenta nos seguintes princípios: Explosão Demográfica
4. Plantação de Árvores entre adolescentes Túnel do Marão  Assegurar a satisfação das necessidades básicas da geração atual;  Não comprometer a capacidade de satisfação das necessidades básicas das gerações futuras;  Assegurar o uso racional dos recursos naturais;  Preservar as espécies e os habitats naturais. O desenvolvimento sustentável atribui também importância à necessidade de igualdade intergeracional e geográfica, pois as ações da geração atual tem consequências nas futuras e as ações locais e globais interagem entre si. A comunidade científica tem defendido, nos últimos anos, um modelo de desenvolvimento sustentável assente em oito componentes vitais: Social e Cultural: Comunidade ativa, inclusiva e segura, com cultura local forte e atividades comunitárias compartilhadas; Política: Comunidade bem Administrada, com participação, representação e liderança efetiva e inclusiva; Comunicações e transportes: Comunidade bem conectada, com bons serviços de transporte e comunicação; Serviços: Comunidade bem Servida, com serviços adequados às necessidades das populações;

5. Oceanário de Lisboa Ambiente: Comunidade ambientalmente responsável, com espaços e construções ambientalmente sustentáveis; Igualdade: Comunidade justa, com promoção de igualdade para todos no presente e no futuro; Economia: Comunidade próspera, com economia local diversa e em crescimento Habitação e Ambiente: Comunidade bem Projetada e Construída, com ambientes construídos e naturais de qualidade. Este modelo de desenvolvimento coloca um desafio à humanidade pois assenta em três componentes do desenvolvimento: económica, social e ambiental. Nesta perspetiva, uma sociedade resiliente é uma sociedade sustentável. Mas o que é a resiliência? A resiliência é a capacidade de uma comunidade responder positivamente a eventos catastróficos, superando-os e recuperando o estado anterior à catástrofe. Esta tem como objetivo, para além de controlar os fenómenos e de os resistir, a mitigação do risco e a redução das vulnerabilidades sociais, de modo a melhorar a capacidade da sociedade em
6. Cooperação Internacional lidar com adversidades e em se adaptar e moldar à mudança provocada por um evento catastrófico. Corresponde às capacidades que os indivíduos, comunidades e entidades têm para reduzir a vulnerabilidade, segundo três níveis:  Prevenir e atenuar a perda;  Manter as condições de vida;  Gerir a recuperação do impacto sofrido. Este desenvolvimento sustentável e resiliente assenta na aprendizagem perante as catástrofes para que possamos responder a estes fenómenos no futuro. Cooperação internacional Os problemas ambientais apesar de terem origens locais ultrapassam as fronteiras e tem consequências mundiais. Por isso a resposta às alterações climáticas e aos riscos naturais e mistos exige uma atuação a nível local, regional e mundial. A cooperação

7. internacional é fundamental para discutir os problemas ambientais, as suas causas e consequências promovendo, assim, o desenvolvimento sustentável. E por isso são realizados acordos e cooperações como o programa das nações unidas para o ambiente (PNUA-1972), o qual tem o objetivo de manter o estado do meio ambiente global sob contínuo monitoramento (controlo); alertar povos e nações sobre problemas e ameaças ambientais e recomendar medidas para melhorar a qualidade de vida da população sem comprometer os recursos naturais e serviços ambientais das gerações futuras. Além de encorajar a cooperação internacional. Convenções e cimeiras realizadas ao longo dos tempos  Cimeira da terra - realizada no rio de Janeiro, em 1992, com o objectivo de conservar a biodiversidade e garantir a sobrevivência das gerações futuras. Nesta cimeira foi assinada a Carta da Terra (presentes os princípios sobre as florestas) e foi criada a agenda XXI (que estabelecia os critérios sustentáveis de cada pais).  Convenção de Genebra -realizada em Genebra, em 1979, com o objetivo de proteger o ambiente contra os efeitos negativos da poluição do ar e a prevenir e reduzir gradualmente a degradação da qualidade do ar e os seus efeitos como chuvas acidas, eutrofização… impuseram-se limites à emissão de enxofre, óxido de azoto, amoníaco…  Convenção de Viena Realizada em 1980 com o objetivo de reconhecer os compostos químicos mais nocivos à camada do ozono.  Protocolo de Quioto - realizado em Quioto, em 1997,com o objetivo de reduzir 5,2% as emissões dos gases com efeito de estufa dos países desenvolvidos em relação a1990; reformar os setores da energia e

8. Falta de água potável nos países mais pobres dos transportes; promover o uso de fontes energéticas renováveis; proteger as floresta.  Cimeira de Bali – realizada em Bali, em 2007, cujo objetivo de estabelecer um novo acordo que substituía o protocolo de Quioto.  Cimeira do Clima - com o objetivo de tentar acelerar compromissos em defesa do ambiente e para evitar o agravamento do aquecimento global. A meta da cimeira da ONU é assinar um novo tratado, em Paris, em dezembro de 2015, que fortalecerá o tratado de Quioto mas Até lá, realiza-se esta cimeira em Nova Iorque em dezembro de 2014.  Cimeira de Paris – realizada em Paris, em 2015, com o objetivo acordo histórico para conter o aquecimento global para diminuir a emissão de gases de efeito estufa, o aquecimento global e contendo o aumento da temperatura global em 2º C até 2100. Princípios de proteção controlo e gestão ambiental A biodiversidade nos ecossistemas é fundamental para a existência humana, pois precisamos dos alimentos, da água e da energia que eles nos fornecem. Devido ao crescimento demográfico e à ascensão da classe média em países com economias emergentes, o aumento do consumo de recursos está a fazer com que seja difícil satisfazer as necessidades da população. As alterações climáticas e o esgotamento dos ecossistemas e dos recursos naturais têm vindo a contribuir para o agravamento da situação. Os países mais pobres continuam a ser os mais vulneráveis, sobretudo no que se refere a questões de segurança alimentar, água e energia.
9. A preservação do património natural torna-se fundamental para a sobrevivência da humanidade:  Criação do princípio do poluidor-pagador;  Criação de limites legais para a emissão de gases com efeito de estufa;  Criação de áreas de reserva natural;  Promoção da reciclagem;  Introdução do pagamento de serviços ambientais. O princípio do poluidor-pagador Segundo o princípio do poluidor-pagador, o agente poluidor deverá pagar o custo da resolução dos problemas de poluição que provocou através de diversos instrumentos: Instrumentos Regulação do mercado Atuação Económica Normas legislativas sobre: Pagamento de:  Concentração máxima de nitratos na água;  Emissões ou descargas máximas permitidas;  Processos de despoluição;  Utilização de produtos poluentes.  Impostos  Taxas  Direitos de poluição

10. Emissão de gases com efeito de estufa Energia Eólica e Solar fotovoltaica Limites à emissão de Gases com efeito de estufa: O Protocolo de Quioto é um dos mais importantes protocolos ambientais que estabelece os limites legais à emissão de gases que provocam o efeito de estufa. Ele atua através de diferentes instrumentos:  Implementação conjunta;  Mecanismo de desenvolvimento limpo;  Direitos de poluição. Fontes de energia renováveis Inúmeras são as fontes de energia disponíveis no nosso planeta, sendo que essas fontes se dividem em dois tipos, as fontes de energia renováveis e as não renováveis. As fontes de energia renováveis, são aquelas em que a sua utilização e uso é renovável e pode-se manter e ser aproveitado ao longo do tempo sem possibilidade de esgotamento. Muitos são os exemplos deste tipo de energia: Bioenergia; Geotérmica; Hídrica; Solar fotovoltaica; Eólica.
11. Extração de petróleo Fontes de energia não renováveis As fontes de energias não renováveis são recursos limitados, sendo que esse limite depende dos recursos existentes no nosso planeta, como é o exemplo dos combustíveis fósseis. A Reciclagem A reciclagem é o processo de conversão de desperdício em materiais ou produtos de potencial utilidade. Entre os materiais recicláveis estão diversos tipos de vidro, papel, metal, plástico, tecido e componentes eletrónicos. A compostagem ou reutilização de detritos biodegradáveis, como lixo de cozinha ou de jardim, também é considerada reciclagem. Os materiais para serem reciclados são transportados para um centro de reciclagem ou recolhidos porta a porta e depois separados, limpos e reprocessados em novos materiais para produção industrial.
12. Risco de Deslizamento na vertente de uma montanha Para diminuir o consumo de energia, de matérias-primas, de recursos naturais e da quantidade de resíduos depositada em aterros podemos e devemos aplicar a política dos 4R's (reduzir, reutilizar, reciclar e recuperar), pois esta é fundamental. Ordenamento do território O ordenamento territorial é, neste contexto, fundamente, enquanto ferramenta que orienta, estrutura e gere a ocupação do território num processo continuo no tempo. Deste modo é fundamental planear a organização do território para alcançar o Desenvolvimento Sustentável através da:  Gestão e controlo das formas de ocupação do território (ex: onde se pode ou não construir)  Monitorização dos efeitos da ocupação do território (ex.: verificar se na vertente de uma montanha, onde se construiu uma estrada, existem indícios de deslizamentos).  Antecipação de eventuais problemas (ex.: proibir a construção de habitações nos leitos de inundação).
13. Organizações Não Governamentais Ambientais A consciência global dos problemas ambientais levou, a partir da década de 1960, à organização de populações ou comunidades para atuarem, a nível ambiental, em situações em que os governos não conseguiam dar resposta. Assim, surgem as Organizações Não Governamentais Ambientais (ONGA) com um importante papel na defesa do ambiente, uma vez que desenvolvem estratégias para educar, trabalhar e preservar o ambiente sem colocar em causa a qualidade de vida da população. Exemplos de ONGA Liga para a Proteção da Natureza (1948) Com o objetivo de conservar o património natural, preservar a diversidade das espécies e dos ecossistemas da península Ibérica e defender o ambiente numa perspetiva de desenvolvimento sustentável, esta ONGA atua:  Na concretização de projetos e programas de atuação local;  Na realização de formações para a educação ambiental;  No acolhimento e recuperação de animais selvagens;  No apoio ao desenvolvimento da investigação através de estágios e programas de mestrado e doutoramento;  Na participação em processos de discussão pública relacionados com o ordenamento do território e o ambiente.

14. Campanha da WWF contra a desflorestação Greenpeace (1971) Com a pretensão de defender o ambiente, de sensibilizar as pessoas para a mudança de atitudes e comportamentos face ao ambiente e de desafiar os governos para a alteração das políticas ambientais esta organização atua:  Através da imprensa internacional e da população chamando á atenção para problemas ambientais.  Expondo crimes ambientais.  Captando a atenção através da realização de intervenções mediáticas. World Wide Fund for Nature (1961) Tentando promover a conservação da biodiversidade, assegurar a sustentabilidade dos recursos naturais e promover a redução da poluição e do desperdício esta ONGA tem como estratégia atuar:  Através de parcerias com governos, comunidades locais, agências internacionais e indústrias, identificando soluções para os problemas ambientais mais relevantes.  Na utilização de uma abordagem científica e racional, definindo prioridades na intervenção ambiental.  No Desenvolvimento de projetos vocacionados para o combate às causas da degradação ambiental.
15. Ecopontos Medidas coletivas e individuais Os grandes desafios ambientais têm solução, mas esta, para além de exigir ações globais, necessita de uma mudança permanente dos comportamentos e das atitudes institucionais e individuais de modo a promover um desenvolvimento resiliente capaz de responder rapidamente às mudanças que possam surgir. Esta tentativa de incutir uma nova forma de atuação face aos problemas ambientais levou à concretização de iniciativas coletivas e individuais, como o estímulo à reciclagem e à redução do desperdício as políticas públicas integradas que adotem tecnologias limpas e a divulgação de produtos biodegradáveis, como alguns plásticos. Em 1996 surgiu dentro da perspetiva da Cimeira da Terra de 1992 o conceito de pegada ecológica global que consiste na avaliação do impacte do estilo de vida da população no planeta. Esta consiste num cálculo que permite saber a quantidade de recursos naturais que se consome para suportar o estilo de vida, dando uma estimativa do impacte do estilo de vida no planeta. Esta avaliação realiza-se a partir de três indicadores de pegada ecológica global:  Pegada ecológica: mede os impactes da ação humana sobre a Natureza, analisando a quantidade de área bio produtiva necessária para satisfazer as necessidades da população através de recursos naturais e para a absorção do carbono.
16. Evolução da pegada ecológica Global Mundial  Pegada de carbono: mede os impactes da humanidade sobre o clima global e é expressa em termos de volume de emissões de gases com efeito de estufa.  Pegada hídrica: mede os impactes da humanidade sobre a hidrosfera, expressa em termos da quantidade de água utilizada direta ou indiretamente. A evolução da pegada ecológica global mundial mostra que seriam necessários 1,5 planetas Terra, por ano, para satisfazer as necessidades da população mundial em, por exemplo, alimentos, água, combustíveis, fibras, terras para construir e florestas. Neste gráfico observamos que foi há cerca de 40 anos que a exploração dos recursos naturais superou a bio capacidade do planeta, ou seja, a quantidade de terra biologicamente produtiva e a área marítima disponível para regenerar os recursos.
17. Pegada Ecológica Global por componentes A pegada de carbono continua a ser a que tem mais peso nos componentes da pegada ecológica global. De facto, a componente da pegada de carbono e as áreas de cultivo são as únicas que apresentam um crescimento contínuo enquanto as restantes componentes da pegada ecológica global estão estabilizadas. Em termos de distribuição geográfica, destacam-se a China e os Estados Unidos da América, que em conjunto são responsáveis por 32,7% da pegada ecológica global, seguindo-se, com valores bastante inferiores, a Índia (7,1%), o Brasil (3,7%) e a Rússia (3,7%). Peso da pegada ecológica global dos cinco primeiros países no total da pegada ecológica global

18. Localização dos países com maior e menor pegada ecológica global A distribuição geográfica da pegada ecológica global revela os contrastes entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento. Estes contrastes revelam uma grande proximidade com os valores do PIB per capita. Assim:  os países com maior valor de PIB per capita são também os maiores responsáveis pela pegada ecológica global per capita mais elevada. A pegada ecológica global deste grupo de países resulta dos elevados níveis de consumo das populações;  os países com o PIB per capita mais baixo têm uma pegada ecológica global baixa, que mesmo que replicada por outros países não coloca em causa a sustentabilidade dos recursos naturais.
19. Conclusão Com este trabalho concluímos que o excesso de exploração dos recursos naturais, resultado do desenvolvimento industrial e tecnológico, é um problema da humanidade. A resolução deste problema tem-se conseguido não só pela consciencialização das pessoas através de campanhas de sensibilização mas também pela cooperação internacional, ou seja, através das várias convenções e cimeiras internacionais em que se debateram soluções para este problema. Concluímos também que os resultados, apesar de insuficientes têm-se visto, principalmente devido à cooperação internacional. Fontes: Bastos, C. e Dias, C. (2014).Raiz Editora
20. Trabalho elaborado por: Bruno Lopes nº6 Daniela Silva nº9 Inês Marçal nº13 Laura Domingos nº15 No âmbito da disciplina de Geografia Turma: 9ºA Professora: Ilda Martinho Loureiro Bicacro Ano Lectivo 2015/2016