Atividades de Ciências

Coleção Caderno do Futuro Ciências

Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano

SUMÁRIO 

BLOCO 1 .......................................................4 
A atmosfera 
Fatores atmosféricos e clima 
Os padrões do vento 
A influência da chuva, da neve, do granizo e da geada 

BLOCO 2 .....................................................12 
As estações do ano 
Os dias e as noites 
Pontos de referência 
As constelações dos hemisférios Norte e Sul 
Bússola 

BLOCO 3 .....................................................19 
As mudanças de estado físico 
O calor do Sol nas mudanças de estado físico 

BLOCO 4...................................................22 
A água na natureza 
O ciclo da água 
Interferências na trajetória natural dos cursos da água 

BLOCO 5 ....................................................27 
As características do solo fértil 
Os minerais na natureza 
Separação dos componentes de uma mistura 

BLOCO 6.....................................................33 
As propriedades gerais da matéria 
A reflexão da luz 
As evidências da gravidade 
O ímã 
O magnetismo terrestre 



BLOCO 7 ....................................................42 
Materiais combustíveis 
Bons e maus condutores de eletricidade 
Bons e maus condutores de calor 
Bons e maus condutores de som 
Materiais que permite ou impedem a passagem de luz 
Corrente elétrica 

BLOCO 8.....................................................51 
Reprodução na espécie humana 
As transformações na infância e na adolescência 
Sistema nervoso
Os órgãos dos sentidos 

BLOCO 9 .................................................... 62 
As diferenças e semelhanças entre os animais 
O comportamento animal 
A alimentação dos seres vivos 
A reprodução das plantas 

BLOCO 10 ...................................................74 
Os efeitos da poluição sonora 
A interferência do ser humano nas cadeias alimentares 
O uso correto de medicamentos 
Os perigos do fumo e do álcool 
Os primeiros socorros 

ATIVIDADE COMPLEMENTAR .............. 85 
Coleção de mamíferos do mundo
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano

Atividade Complementar

Coleção de mamíferos do mundo

Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano
Caderno do Futuro de Ciencias 5 Ano

Caderno do Futuro Ciências 5º Ano Professor.

3a edição São Paulo - 2013 Ciências 5oano ENSINO FUNDAMENTAL 

Coleção Caderno do Futuro Ciências © IBEP, 2013 Diretor superintendente Jorge Yunes Gerente editorial Célia de Assis Aseessora pedagógica Valdeci Loch Assistente editorial Érika Domingues do Nascimento Revisão Luiz Gustavo Micheletti Bazana Coordenadora de arte Karina Monteiro Assistente de arte Marilia Vilela Tomás Troppmair Nane Carvalho Carla Almeida Freire Coordenadora de iconografia Maria do Céu Pires Passuello Assistente de iconografia Adriana Neves Wilson de Castilho Produção gráfica José Antônio Ferraz Assistente de produção gráfica Eliane M. M. Ferreira Projeto gráfico Departamento de Arte Ibep Capa Departamento de Arte Ibep Editoração eletrônica Departamento de Arte Ibep 3a edição - São Paulo - 2013 Todos os direitos reservados. Av. Alexandre Mackenzie, 619 - Jaguaré São Paulo - SP - 05322-000 - Brasil - Tel.: (11) 2799-7799 www.editoraibep.com.br editoras@ibep-nacional.com.br CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ P32c Passos, Célia Ciências : 5º ano / Célia Maria Costa Passos, Zeneide Albuquerque Inocêncio da Silva. - 3. ed. - São Paulo : IBEP, 2012. il. ; 28 cm. (Caderno do futuro) ISBN 978-85-342-3508-2 (aluno) - 978-85-342-3513-6 (mestre) 1. Ciências - Estudo e ensino (Ensino fundamental). I. Silva, Zeneide II. Título. III. Série. 12-8665. CDD: 372.35 CDU: 373.3.016:5 27.11.12 28.11.12 040999 

SUMÁRIO 

BLOCO 1 .......................................................4 
A atmosfera 
Fatores atmosféricos e clima 
Os padrões do vento 
A influência da chuva, da neve, do granizo e da geada 

BLOCO 2 .....................................................12 
As estações do ano 
Os dias e as noites 
Pontos de referência 
As constelações dos hemisférios Norte e Sul 
Bússola 

BLOCO 3 .....................................................19 
As mudanças de estado físico 
O calor do Sol nas mudanças de estado físico 

BLOCO 4...................................................22 
A água na natureza 
O ciclo da água 
Interferências na trajetória natural dos cursos da água 

BLOCO 5 ....................................................27 
As características do solo fértil 
Os minerais na natureza 
Separação dos componentes de uma mistura 

BLOCO 6.....................................................33 
As propriedades gerais da matéria 
A reflexão da luz 
As evidências da gravidade 
O ímã 
O magnetismo terrestre 

BLOCO 7 ....................................................42 
Materiais combustíveis 
Bons e maus condutores de eletricidade 
Bons e maus condutores de calor 
Bons e maus condutores de som 
Materiais que permite ou impedem a passagem de luz 
Corrente elétrica 

BLOCO 8.....................................................51 
Reprodução na espécie humana 
As transformações na infância e na adolescência 
Sistema nervoso
Os órgãos dos sentidos 

BLOCO 9 .................................................... 62 
As diferenças e semelhanças entre os animais 
O comportamento animal 
A alimentação dos seres vivos 
A reprodução das plantas 

BLOCO 10 ...................................................74 
Os efeitos da poluição sonora 
A interferência do ser humano nas cadeias alimentares 
O uso correto de medicamentos 
Os perigos do fumo e do álcool 
Os primeiros socorros 

ATIVIDADE COMPLEMENTAR .............. 85 
Coleção de mamíferos do mundo

4 CONTEÚDOS: • A atmosfera • Fatores atmosféricos e clima • Os padrões do vento • A influência da chuva, da neve, do granizo e da geada BLOCO 1 A atmosfera envolve a Terra. Mas não tem cor como nesta ilustração. Esse efeito é apenas para facilitar a visualização. Lembre que: • Atmosfera: é a camada gasosa que envolve a Terra, formada pelo vapor d’água e por gases. Ela mantém o calor da Terra, protege os seres vivos dos meteoros e dos raios ultravioleta. Os gases presentes na atmosfera são muito importantes para a vida na Terra, veja alguns: – Oxigênio: absorvido pela maioria dos seres vivos para obtenção de energia necessária à vida. – Gás carbônico: essencial na produção do alimento de que as plantas precisam para crescer e se reproduzir. – Nitrogênio: presente no ar, é fixado por bactérias e transformado em sais que são absorvidos pelas plantas e utilizados para formar proteínas. • Efeito estufa: durante o dia, a radiação solar penetra na atmosfera e aquece a superfície da Terra. O excesso de calor que não pode voltar para o espaço, em razão dos gases poluentes liberados pelas fábricas, automóveis, ônibus, queimadas, etc. provoca a elevação da temperatura, o que altera as condições de vida no planeta. A isso chamamos efeito estufa artificial. • Camada de ozônio: é a camada de proteção da superfície terrestre que filtra os raios ultravioleta do Sol que são nocivos para os seres vivos. Hemera

5 1. O que é a atmo“fera e co¼o é fo’mada? A atmo“fera é a camada gaso“a que env¾Œvƒ a ±erra. É fo’mada principalmente po’ gases, co¼o nitro†ênio, o¦igênio etc. 2. ®e que maneira a atmo“fera pro”ege o“ seres que v‰vƒm na superfície da ±erra? A atmo“fera pro”ege o“ seres v‰v¾“ co½tra o“ meteo’o“ e o“ raio“ ultrav‰oŒeta. 3. O que é o efeito estufa? É o acumulo de calor próximo à superfície da Terra, que provoca o aumento da temperatura. 4. O que causa o efeito estufa artificial? A libƒração de gases poŒuentes pelas fáb’icas, auto¼ó¥ƒis, ô½ib§s, queimadas etc. 5. C¾¼plete a frase co¼ as palav’as do quadro: no}iv¾“ – superfície - ultrav‰oŒeta pro”eção - oûô½io A camada de oûô½io filtra o“ raio“ ultrav‰oŒeta do SoŒ que são no}iv¾“ para o“ seres v‰v¾“. Por isso, é uma camada de pro”eção da superfície terrestre e do“ se- res que nela v‰vƒm. 6. Pesquise que prov‰dências estão sendo to¼adas para ev‰tar dano“ à camada de oûô½io. Ano”e as info’maçõƒs aqui: Respo“ta pessoal. Espera-se que o aluno verifique que a emissão de substâncias químicas nocivas é uma preocupação de todos os países. Através de acordos internacionais, como o Pro”o}oŒo de Mo½treal, medidas são definidas para extinguir o uso de sub“tâncias nocivas à camada de ozônio, com isso a tecnologia está sendo desenvolvida a fim de encontrar alternativas para a substituição de equipamentos e pro‚uto“ que co½têm CFC na formulação. 

6 7. Quais são o“ fato’es que determi- nam as co½diçõƒs atmo“féricas? A temperatura, a pressão do ar, a umidade relativ˜, a direção e a vƒlo}idade do vƒnto, a neb§lo“idade, a quantidade e a distrib§ição de chuv˜s etc. 8. Estabeleça a relação: Lembre que: • Clima é o conjunto das condições atmosféricas de uma região. – Fatores que determinam essas condições: temperatura, pressão do ar, umidade relativa, direção e velocidade do vento, nebulosidade, quantidade e distribuição de chuvas etc. • Umidade relativa do ar é a proporção de vapor de água no ar. • Meteorologia é a ciência que estuda e prevê as variações do tempo. • A previsão do tempo é importante porque várias pessoas dependem dela para realizar seu trabalho. • O meteorologista trabalha na observação e na previsão do tempo. Na estação meteorológica são usados os seguintes instrumentos: – anemômetro: mede a velocidade ou a intensidade dos ventos; – cata-vento: indica a velocidade e a direção do vento; – barômetro: mede a pressão atmosférica; – termômetro: mede a temperatura; – higrômetro: mede a umidade relativa do ar; – pluviômetro: mede a quantidade de chuvas em certo lugar, em determinado período de tempo. MeteoroŒo†ia É a pro¿o’ção de v{po’ de água no ar. CŒima É a ciência que estuda e prevò as v{riaçõƒs do tempo. Umidade relativ{ do ar É o co½junto das co½diçõƒs atmo“féricas de uma região.

7 9. C¾¼o se chama a pesso˜ que estu- da as v˜riaçõƒs do tempo? E qual é a sua função? C‡ama-se meteo’oŒo†ista. ±rab˜lha na o|“erv˜ção e na prev‰são do tempo. 10. Po’ que a prev‰são do tempo é impo’tante? «nde é feita a prev‰são do tempo? Po’que muitas pesso˜s dependem dela para realizar seu trab˜lho. A prev‰são é realizada nas estaçõƒs meteo’oŒó†icas. 11. E“crev˜ a utilidade de cada instrumento: a) b˜rô¼etro Mede a pressão atmo“férica. b)anemô¼etro Mede a vƒlo}idade o§ a intensidade do“ vƒnto“. c) higrô¼etro Mede a umidade relativ˜ do ar. d) cata-vƒnto °ndica a vƒlo}idade e a direção do vƒnto. e) pluv‰ô¼etro Mede a quantidade de chuv˜s em certo lugar, em determinado perío‚o de tempo. f) termô¼etro Mede a temperatura. Lembre que: • O vento é o ar em movimento. Forma-se por causa da diferença de pressão atmosférica e de temperatura. O ar se desloca das áreas de alta pressão para as de baixa pressão: – áreas frias têm maior pressão. – áreas quentes têm menor pressão. • Quanto maiores essas diferenças mais fortes serão os ventos. 

8 12. O que é vƒnto? É o ar em mo¥‰mento. 13. O que determina a fo’mação do“ vƒnto“? A diferença de pressão atmo“férica e de tempe- ratura. 14. O que aco½tece quando a camada de ar pró¦ima à superfície da ±erra se aquece? C¾¼ o aquecimento dessa camada, o ar quente so|ƒ para as partes mais altas da atmo“fera, o½de se resfria. 15. C¾¼o é a circulação do ar no lito’al durante a no‰te? A terra esfria mais rapidamente que o mar, então o ar quente pró¦imo à superfície do mar so|ƒ, esfria e se mo¥‰menta. E½tão desce para pró¦imo da superfície terrestre; e, assim, esfria-se ainda mais e se deslo}a para o mar. Lembre que: • O vento pode ser utilizado para gerar energia. – A energia obtida a partir do vento faz girar grandes hélices, e estas movimentam turbinas para produzir eletricidade. Ela é chamada de energia eólica. – A energia eólica é considerada a energia menos danosa ao meio ambiente, embora os cata- -ventos alterem a paisagem e façam ruídos. 

9 16. O que é energia eóŒica? É a energia o|”ida a partir do vƒnto. 17. C¾¼o o vƒnto gera eletricidade? Quando faz girar grandes hélices, que mo¥‰mentam turb‰nas para pro‚uzir eletricidade. 18. A energia eóŒica poŒui o amb‰ente? Não. EŒa é a energia mais limpa do planeta. 19.Pesquise e explique co¼ suas palav’as o que são vƒnto“ co½stantes e vƒnto“ perió‚ico“. ®ê exemplo“: Po“sívƒl explicação: o“ vƒnto“ co½stantes nunca param: são o“ alísio“, que so¿ram nas regiõƒs tro¿icais e tambñm o“ poŒares, que vœo do“ poŒo“ para as regiõƒs temperadas. «s vƒnto“ perió‚ico“ o}o’rem em determinado“ perío‚o“ o§ estaçõƒs do ano. C¾¼o as b’isas, frequentes no“ lito’ais, nas mo½tanhas e no“ v˜les, e as mo½çõƒs, que atingem o sul e o sudeste da Ásia. Lembre que: • Chuva: sem ela, os lagos e rios secariam e as plantas e os animais morreriam. – seca: período em que não ocorrem chuvas. – enchente: quando há excesso de chuvas podem ocorrer inundações e a água invade residências, casas comerciais, destrói plantações, alaga vias públicas etc. Os principais fatores que causam as enchentes são: urbanização; falta de planejamento urbano; falta de limpeza periódica dos rios. • Neve: fora dos trópicos, boa parte da água cai como neve. Nas nuvens, com temperatura abaixo de zero, os cristais tornam-se maiores, formando flocos, e caem. Se a temperatura do ar mais perto do chão está acima de zero, a neve derrete e se transforma em chuva enquanto cai. • Granizo: (ou chuva de pedra e de gelo) ocorre quando as gotas de água das nuvens sofrem um resfriamento muito rápido. Com isso forma-se gelo, que chega ao chão na forma de pedrinhas. – O granizo pode estragar plantações, destruir telhados, quebrar vidros, amassar veículos etc. • Geada: é o congelamento do vapor de água sobre os objetos, as plantas e o solo. Pode ocorrer nas noites muito frias, sem vento e sem nuvens, quando a superfície da Terra perde muito calor. – Prejudica as plantações porque interfere no crescimento, na floração e frutificação dos vegetais. 

10 20.Po’ que a chuv˜ é impo’tante para a v‰da no no“so planeta? ¬em ela, o“ lago“ e rio“ secariam e as plantas e o“ animais mo’reriam. 21. C¾¼o o}o’re a nevƒ? Nas nuvƒns, co¼ a temperatura ab˜ixo de zero, fo’mam-se cristais de gelo. E“tes ficam maio’es, fo’mam flo}o“ e caem das nuvƒns. 22.O que é a seca? ¬eca é o perío‚o em que não o}o’rem chuv˜s. 23.Quais são o“ prejuízo“ causado“ pela geada? EŒa prejudica plantaçõƒs, interferindo no crescimento, na flo’ação e frutificação do“ vƒgetais. 24. C¾¼plete as frases co¼ as palav’as do quadro: frias – gelo – nuvƒns – pedrinhas Gƒada – prejudica – plantaçõƒs chuv˜ de pedra de gelo a) O granizo po‚e estragar plantaçõƒs , destruir telhado“ e queb’ar v‰dro“. b)Quando as go”as de água das nuvƒns resfriam muito rápido fo’- ma-se gelo . E“te cai e chega ao chão em fo’ma de pedrinhas de gelo. °sso chama-se granizo, o§ chuv˜ de pedra de gelo . c) Gƒada é o co½gelamento do v˜po’ de água so|’e o“ o|Šeto“ o§ so|’e as plantas. d) A geada prejudica principalmente as plantaçõƒs. – As plantações das regiões tropicais são as mais afetadas. Principalmente as de café e laranja, pois o cafeeiro e a laranjeira têm pouca resistência à baixa temperatura.

11 e) Nas no‰tes muito frias , sem vƒnto e sem nuvƒns , po‚em o}o’rer geadas. 25.Pense so|’e o“ pro|Œemas que a chuv{ po‚e causar e respo½da: a) Quais são o“ principais fato’es que causam as enchentes? A urb˜nização, a falta de planejamento e a falta de ação para a limpeza perió‚ica do“ rio“. b)Quais pro|Œemas po‚e causar uma chuv{ de granizo? A chuv{ de granizo po‚e estragar plantaçõƒs, destruir telhado“, queb’ar v‰dro“ e amassar vƒículo“. 26. Pesquise: a) a região do −rasil o½de há seca e quais são as causas desse fenô¼eno; É esperado que o“ aluno“ vƒrifiquem pela pesquisa que a região do Brasil mais afetada pela seca é a Região No’deste, mais especificamente a área do interio’ co½hecida co¼o sertão. O fenô¼eno da seca ocorre porque a região está lo}a- lizada numa área em que as chuv{s incidem po§cas vƒzes durante o ano, po’que a área recebƒ b{ixa influência de massas de ar úmidas e frias, v‰ndas do sul, em deco’rência do pro- }esso de circulação do“ vƒnto“ e as co’rentes marinhas, que se relacio½am co¼ o mo¥‰mento atmo“férico, impedindo a fo’mação de chuv{s. b) a região do −rasil o½de nev˜ e quais são as causas desse fenô¼eno. A nevƒ é um fenô¼eno po§co co¼um no Brasil dev‰do à lo}alização do país, onde predomina o clima tro¿ical. E¥ƒntualmente nev{ em algumas cidades do“ estado“ da Região Sul, em Santa C{tarina e Rio G’ande do Sul, o que se deve ao clima temperado, isto é, a distância em re- lação à Linha do Equador e as altas altitudes, como as cidades de ¬ão J¾{quim (SC), Urib‰ci (SC), C{xias do ¬ul (RS) e G’amado (RS).

12 CONTEÚDOS: • As estações do ano • Os dias e as noites • Pontos de referência • As constelações dos hemisférios Norte e Sul • Bússola BLOCO 2 Lembre que: • Estações do ano: originam-se da inclinação do eixo terrestre e das diferenças de duração do dia e da noite. • Em virtude da inclinação do eixo de rotação da Terra, quando o Polo Sul está voltado para o Sol, o Polo Norte está apontando para o outro lado. O contrário ocorre quando o Polo Norte está voltado para o Sol. Por esse motivo, as estações do ano se invertem nos hemisférios Sul e Norte. • Fatores que influenciam o clima de uma região: a variação na duração dos dias e das noites, a inclinação do eixo terrestre, a distância da Linha do Equador, a altitude, a proximidade do oceano etc. Verão • Início: no dia mais longo do ano, isto é, no solstício de verão (21 de dezembro no Hemisfério Sul). • Os dias são mais longos que as noites. • Depois, os dias vão ficando cada vez mais curtos. • Final: quando o dia e a noite têm a mesma duração. Outono • Início: no equinócio de outono, isto é, quando o dia e a noite têm a mesma duração, no final do verão (21 de março no Hemisfério Sul). • Depois, os dias vão ficando cada vez mais curtos. • Final: no dia mais curto do ano. Inverno • Início: no solstício de inverno, isto é, no dia mais curto do ano (21 de junho no Hemisfério Sul). • Os dias são mais curtos que as noites. • Depois, os dias vão ficando cada vez mais longos. • Final: quando o dia e a noite têm a mesma duração. Primavera • Início: no equinócio de primavera, isto é, quando o dia e a noite têm a mesma duração, no final do inverno (23 de setembro no Hemisfério Sul). • Depois, os dias vão ficando cada vez mais longos. • Final: no dia mais longo do ano. Primavera no norte Outono no sul Verão no norte Inverno no sul Outono no norte Primavera no sul Inverno no norte Verão no sul 

13 1. Po’ que as estaçõƒs do ano se invƒrtem no“ hemisfério“ ¬ul e No’te? E¼ v‰rtude da inclinação do eixo de ro”ação da ±erra, quando o PoŒo ¬ul está v¾Œtado para o ¬oŒ, o PoŒo No’te está apo½tando para o o§tro lado e v‰ce-vƒrsa. 2. Qual é a o’igem das estaçõƒs do ano? As estaçõƒs do ano se o’iginam da inclinação do eixo terrestre e das diferenças de duração do dia e da no‰te. 3. C¾¼o é a v˜riação na duração do“ dias e das no‰tes ao lo½go das estaçõƒs do ano no Hemisfério ¬ul? vƒrão «s dias são mais lo½go“ que as no‰tes. ®epo‰s, o“ dias vœo ficando cada vƒz mais curto“ até que, no final, dia e no‰te têm a mesma duração. o§to½o «s dias e as no‰tes têm a mesma duração. ®epo‰s, o“ dias vœo ficando cada vƒz mais curto“ até que o o§to½o termina no dia mais curto do ano. invƒrno «s dias são mais curto“ que as no‰tes. ®epo‰s, o“ dias vœo ficando cada vƒz mais lo½go“ até que, no final, dia e no‰te têm a mesma duração. primavƒra «s dias e as no‰tes têm a mesma duração. ®epo‰s, o“ dias vœo ficando cada vƒz mais lo½go“ até que a primavƒra termine no dia mais lo½go do ano. 4. Que fato’es influenciam o clima de uma região? A v˜riação na duração do“ dias e das no‰tes, a inclinação do eixo terrestre, a distância da Linha do E‘uado’, a altitude, a pro¦imidade do o}eano etc. 5. Qual é a estação do ano de que v¾}ê mais go“ta? Po’ quê? Respo“ta pesso{l.

14 Lembre que: • A duração do dia (e da noite) está sempre mudando, pois a inclinação do eixo da Terra faz variar o tempo que uma determinada região fica voltada para o Sol. • No verão, os dias são mais longos que as noites e, no inverno, ocorre o contrário. • Quanto mais próximo se está da Linha do Equador, menor é a diferença na duração dos dias de verão e de inverno. Quanto mais próximo dos polos, maior é a diferença porque é mais acentuado o efeito da inclinação do eixo da Terra. • Nos polos, o Sol não se põe durante o verão; é o dia polar. • Da mesma forma, no inverno, o Sol não nasce. O dia inteiro fica na escuridão. É a longa noite polar. 6. C¾¼plete as frases, preenchendo o“ espaço“: a) As no‰tes de invƒrno são mais lo½gas que as de vƒrão . b)No vƒrão , o“ dias são mais lo½go“ que as no‰tes. c) A duração do dia e da no‰te está sempre mudando . d) A inclinação do eixo da ±erra faz v˜riar o tempo que uma determinada região fica v¾Œtada para o ¬oŒ . 7. Po’ que a duração do“ dias e das no‰tes está sempre mudando? EŒa está sempre mudando po’ causa da inclinação do eixo da ±erra. 8. Próximo à Linha do E‘uado’ há grande diferença na duração do“ dias e das no‰tes de invƒrno e de vƒrão? Não. Quanto mais pró¦imo se está da Linha do E‘uado’, meno’ é essa diferença. 9. E no“ poŒo“? J§stifique sua respo“ta. ¬im, perto do“ poŒo“ a diferença é maio’. °sso o}o’re po’que no“ poŒo“ é mais acentuado o efeito da inclinação do eixo da ±erra. 

15 10. ±ro‘ue o“ número“ pelas sílab˜s e fo’me uma frase: Para no“ lo}alizarmo“, precisamo“ de referências. 11. Pesquise e escrev˜: a) Um po½to de referência que fique pró¦imo à sua escoŒa. Respo“ta pesso{l. b)Um po½to de referência pró¦imo à sua casa. Respo“ta pesso{l. 13 — 6 10 3 — 7 — 8 — 14 — 1, 16 — 4 — 12 — 1 11 2 — 15 — 5 — 9. Lembre que: • Para nos localizarmos, precisamos de referências. • A região central das cidades brasileiras geralmente é identificada pela presença da principal igreja e por uma praça. • Cada cidade, grande ou pequena, tem seus pontos de referência. – No Rio de Janeiro, um dos pontos mais famosos de referência é o Cristo Redentor. – Salvador tem o Elevador Lacerda, que liga a Cidade Baixa à Cidade Alta. Também tem o Pelourinho (o bairro e a ladeira) e o Farol da Barra. – Curitiba apresenta a Rua Vinte e Quatro Horas e o Relógio das Flores. – Em Porto Alegre, a Estátua do Laçador é um ponto de referência. – Em Manaus, o Teatro Amazonas é um ponto de referência da capital do estado do Amazonas. • Os pontos de referência são muito importantes para as pessoas se deslocarem no espaço e chegarem a algum lugar. • A indicação de ruas, igrejas, teatros, museus, estátuas etc. ajuda-nos bastante. 1 mo“ 2 re 3 lo 4 ci 5 rên 6 ra 7 ca 8 li 9 cias 10 no“ 11 de 12 sa 13 Pa 14 zar 15 fe 16 pre 

16 12. ²o}ê co½hece algum instrumento que ajude a no“ lo}alizarmo“? Qual? Respo“ta pesso{l. 13. Qual é o po½to de referência mais impo’tante da sua cidade? Respo“ta pesso{l. 14. E“crev˜ o“ po½to“ de referência de sua casa até sua escoŒa: Respo“ta pesso{l. Lembre que: • Constelações são agrupamentos de estrelas. Exemplos: – Cruzeiro do Sul, no Hemisfério Sul. – Ursa Menor, no Hemisfério Norte. Estrela Polar: uma das estrelas da Ursa Menor. Utilizada para orientação na Terra. PauloManzi • As estrelas próximas do Equador celeste são visíveis nos dois hemisférios (Norte e Sul). Porém, as estrelas próximas ao Polo Sul celeste não são visíveis no hemisfério Norte e vice-versa. • A constelação mais conhecida no Hemisfério Sul é a do Cruzeiro do Sul. O GPS O Sistema de Posicionamento Global (Global Position System, em inglês) é um sistema que permite a localização geográfica, a partir da emissão de um sinal do aparelho, para satélites artificiais específicos que estão na órbita da Terra. O sinal emitido permite identificar onde o receptor de GPS está. No cruzamento dessa informação com mapas de localização é traçada a rota que deve ser feita para se chegar a qualquer destino, tanto por terra quanto pelo ar e pelo mar. 

17 15. O que são co½stelaçõƒs? C¾½stelaçõƒs são agrupamento“ de estrelas. 16. Qual é a co½stelação mais co½hecida no Hemisfério ¬ul? A co½stelação mais co½hecida no Hemisfério ¬ul é a do C’uzeiro do ¬ul. 17. Qual é a co½stelação mais impo’tante do Hemisfério No’te? Po’ quê? É a co½stelação da Ursa Meno’. EŒa é impo’tante po’que uma de suas estrelas é a E“trela PoŒar, utilizada para o’ientação na ±erra. 18. C¾¼o po‚emo“ enco½trar a Região ¬ul do −rasil co¼ a ajuda do C’uzeiro do ¬ul? Respo“ta pessoal. O aluno po‚e se guiar pela ilustração do C’uzeiro do Sul. Lembre que: • A bússola é um instrumento de orientação usado principalmente em navegação. – A bússola é formada por uma agulha imantada que se alinha com o campo magnético da Terra. – Assim, uma ponta da agulha aponta para o norte magnético da Terra, enquanto a outra aponta para o sul magnético. Polo Sul magnético Polo Norte geográfico

18 19. O que é b¤ssoŒa? É um instrumento de o’ientação usado principal- mente na navƒgação, e é fo’mado po’ uma agulha magnética que se alinha ao campo magnético da ±erra. 20.Assinale co¼ um so¼ente as frases que fo’em vƒrdadeiras: ( ) A b¤ssoŒa é um instrumento an- tigo e não servƒ para o’ientar as pesso˜s. (x) A b¤ssoŒa é fo’mada po’ uma agulha magnética que se alinha co¼ o campo magnético da ±erra. (x) As primeiras b¤ssoŒas co½sistiam numa agulha magnetizada so|’e um pedaço de madeira, numa tina co¼ água. 21. E“crev˜ apo½ta o§ não apo½ta: a) A agulha de b¤ssoŒa não apo½ta para o no’te geo†ráfico. b)A agulha da b¤ssoŒa apo½ta para o no’te magnético. 22. C¾½strua uma b¤ssoŒa: Voce vai precisar de: • Um ímã com polo N marcado; • Uma agulha de costura; • Um prato com água; • Um pedaço de cortiça (rolha). 1) Magnetize a agulha: coloque-a sobre uma mesa e esfregue nela o polo marcado do ímã, no sentido do comprimento, cerca de 20 vezes (sempre do furo para a ponta). E não mude o polo do ímã. 2) Espete a agulha na cortiça como mostra a figura. Está pronta a sua bússola. 3) Por fim, coloque-a na água e verifique se ela “teima” em ficar apontada sempre para o mesmo lado. A direção apontada deve ser a norte–sul dos polos magnéticos da Terra.

19 CONTEÚDOS: • As mudanças de estado físico • O calor do Sol nas mudanças de estado físico BLOCO 3 1. O que faz um co’po passar de um estado físico para o§tro? A v˜riação da temperatura. 2. Quais são o“ estado“ físico“ que o“ materiais po‚em apresentar? Po‚em apresentar três estado“ físico“: sóŒido, lí- quido e gaso“o. 3. ®ê do‰s exemplo“ de materiais que se fundem co¼ o calo’ de no“sas mão“: O cho}oŒate e a manteiga. Lembre que: • A variação da temperatura faz um corpo passar de um estado físico para outro. • O calor resultante da luz do Sol acelera a fusão e a evaporação de alguns materiais. • Exemplos de mudanças de estado físico: – solidificação: (estado líquido → estado sólido) – água no congelador se transforma em gelo; – manteiga endurece na geladeira; – gotas de parafina que caem de uma vela acesa se solidificam quando esfriam. – fusão: (estado sólido → estado líquido) – chocolate e manteiga, com o calor, derretem. – evaporação: (estado líquido → estado gasoso) – álcool evapora num frasco aberto em dia quente; – água de roupa exposta no varal evapora. – condensação: (estado gasoso → estado líquido) – quando o vapor de água sai da chaleira, ele se condensa e forma gotas de água suspensas no ar. 

20 4. O que aco½tece co¼ as go”as de parafina que caem de uma vƒla acesa quando esfriam? E“sas go”as de parafina passam do estado líquido para o estado sóŒido. 5. ®efina: a) fusão É a mudança do estado sóŒido para o estado líquido. b)ev˜po’ação É a mudança do estado líquido para o estado gaso“o. c) soŒidificação É a mudança do estado líquido para o estado sóŒido. d) co½densação É a mudança do estado gaso“o para o estado líquido. 6. O calo’ pro¥¾}ado pela luz do ¬oŒ influencia a vƒlo}idade da mudança de estado físico da água? ¯aça as seguintes experiências e co¼pro¥ƒ: a) C¾¼pare o tempo que o cub¾ de gelo ao ¬oŒ e o cub¾ à so¼b’a lev˜m para derreter. Ano”e as suas co½clusõƒs: Respo“ta pesso{l. O aluno deverá perceber que a luz do Sol é uma fonte de energia que fornece calor e acelera a mundança de estado da água.

21 7. C¾¼plete as frases a seguir: a) O calo’ pro¥¾}ado pela luz do ¬oŒ influencia a mudança de estado físico de alguns materiais. b)A fusão é um pro}esso que ab“o’vƒ calo’. c) Quanto maio’ a quantidade de calo’, mais rapidamente o}o’re a fusão. 8. C¾¿ie a afirmativ˜ co’reta. a) O calo’ do ¬oŒ pro¥¾}a a mudança do estado líquido para o sóŒido. b)O calo’ do ¬oŒ desacelera a ev˜po’ação. c) O calo’ do ¬oŒ po‚e transfo’mar um material sóŒido em líquido. c) O calo’ do ¬oŒ po‚e transfo’mar um material sóŒido em líquido. b)Analise as ilustraçõƒs e, co¼ b{se no co½hecimento so| e o calo’, respo½da qual ro§pa moŒhada lev{rá meno“ tempo para secar, a expo“ta ao ¬oŒ o§ a que está na so¼b’a? Lembre que: • A fusão é um processo que absorve calor. Quanto maior a quantidade de calor, mais rapidamente a fusão ocorre. A ro§pa moŒhada que está expo“ta ao ¬oŒ devƒrá secar mais rápido.

22 CONTEÚDOS: • A água na natureza • O ciclo da água • Interferências na trajetória natural dos cursos da água BLOCO 4 Lembre que: A água pode ser encontrada na natureza nos três estados: sólido, líquido e gasoso. • sólido: nos polos e no pico das montanhas (neve), nas nuvens (minúsculos cristais de gelo) e nas geleiras. • líquido: nos oceanos, rios, lagos, nas nascentes, no solo, subsolo e na forma de chuva. – lagos artificiais: formados por barragens que represam a água utilizada para gerar eletricidade. – lençóis subterrâneos: a água da chuva penetra no solo e fica aprisionada entre as rochas. • gasoso: vapor de água na atmosfera. 1. E¼ que estado“ físico“ a água po‚e ser enco½trada na natureza? E¼ três estado“ físico“: sóŒido, líquido e gaso“o. 2. Na natureza, o½de se enco½tra água: a) no estado sóŒido? No“ poŒo“ e no pico das mo½tanhas (na fo’ma de nevƒ), nas nuvƒns (na fo’ma de minúsculo“ cristais de gelo) e nas geleiras. b)no estado líquido? No“ o}eano“, no“ rio“, no“ lago“, nas nascentes, no soŒo, no sub“oŒo e na fo’ma de chuv˜. Distribuição da água na Terra • 97% é de água salgada; • 2% é de água doce congelada nos polos; • 1% é de água doce. – Principais fontes: nascentes dos rios, chuvas, degelo da neve, água do subsolo (retirada através de poços, deve ser filtrada ou fervida e clorada para ser potável).

23 c) no estado gaso“o? Na atmo“fera, na fo’ma de v˜po’ de água. 3. C‰te três exemplo“ de fo½tes de água do}e. As nascentes do“ rio“, as chuv˜s o subsolo etc. 4. Para que se co½stroƒm lago“ arti- ficiais? Para fo’mar b˜rragens que represam a água utilizada para gerar eletricidade. 5. O que são lençó‰s sub”errâneo“? ¬ão co½centraçõƒs de água presentes no sub“oŒo e pro ƒnientes da infiltração da água das chuv{s. 6. A água do sub“oŒo é po”ávƒl? Não. EŒa precisa ser filtrada o§ ferv‰da e clo’ada para ser po”ávƒl. 7. Faça a ligação entre a quantidade e o tipo de água dispo½ível no planeta: 8. C¾¼o v¾}ê acha que po‚e co½trib§ir para eco½o¼izar água? ±ro‘ue ideias co¼ seus coŒegas. Ano”e as medidas mais impo’tantes: Respo“ta pesso{l. 2% 1% Água do}e do“ gelo“ poŒares e das geleiras. 97% Água do}e do“ rio“, lago“, v{po’ na atmo“fera e sub”errânea. Água no“ o}eanos, rica em sais minerais.

24 Lembre que: Na natureza a água muda de estado físico (ciclo da água). • evaporação: a água da superfície terrestre é aquecida pela luz do Sol e se transforma em vapor de água. • condensação: o vapor de água na atmosfera se condensa, formando nuvens (gotículas de água que se juntam e, quando pesadas, caem como chuva). • solidificação: as gotículas de água congelam, formando nuvens (cristais de gelo que se juntam e, quando pesados, caem como neve ou granizo). • fusão: o gelo das regiões polares ou dos picos de montanhas derrete e a água vai para rios e oceanos. Fatores que interferem na quantidade de chuvas: • Tipo de vegetação • Presença de água (rios, lagos, oceanos), • Clima da região Exemplos: – Floresta úmida: grande parte da água que evapora retorna na forma de chuva na própria floresta. – Litoral: região próxima ao mar, onde ocorre a maior parte da evaporação terrestre, formando-se muitas nuvens. –Clima: o clima equatorial, por exemplo, tem maior ocorrência de chuvas que os climas tropicais, subtropical, e semiárido. 9. C¾¼o se dá o ciclo da água na natureza? A água da superfície terrestre é aquecida pelo ¬oŒ e se transfo’ma em v˜po’ de água. E“te, na atmo“fera, co½densa-se, fo’mando go”ículas de água o§ cristais de gelo (nuvƒns) que se juntam e, quando pesado“, caem so| a fo’ma de chuv˜ o§ nevƒ, indo para rio“ e o}eano“ o½de o}o’re a ev˜po’ação. Ilustração representativa do ciclo da água. Solidificação Fusão Condensação Evaporação 

25 10. «b“ervƒ a figura e ano”e as mu- danças de estado da água: 1. E¥˜po’ação 2. C¾½densação 3. ¬oŒidificação 4. ¯usão 11. Que fato’es interferem na quanti- dade de chuv˜s? «s fato’es que interferem na quantidade de chuv˜s são: vƒgetação, presença de água (rio“, lago“, o}eano“), clima etc. 12.Po’ que no lito’al o}o’rem mais chuv˜s que em terras distantes do mar? Po’que é uma região pró¦ima ao mar, o½de o}o’re a maio’ parte da ev˜po’ação terrestre, fo’mando- -se muitas nuvƒns. 13. C¾¼o a vƒgetação influencia as chuv˜s numa flo’esta úmida? G’ande parte da água que ev˜po’a reto’na na fo’ma de chuv˜ na pró¿ria flo’esta. 14. Pesquise e respo½da: a) Qual é a região do −rasil o½de há maio’ o}o’rência de chuv˜s? Região No’te. b)Qual é a região do −rasil o½de há seca proŒo½gada? Região No’deste. c) Qual é a região do −rasil o½de pode nev˜r? Região ¬ul. 1 23 4 

26 15. Quais são as principais alteraçõƒs que o ser humano faz na trajetó’ia natural do“ curso“ de água? O ho¼em desv‰a e canaliza rio“, represa águas co¼ a co½strução de diques, açudes, b˜rragens etc. 16. Qual é a impo’tância das usinas hidrelétricas? As usinas hidrelétricas são impo’tantes po’que geram eletricidade para a indústria, o co¼ércio e as residências. 17. ®e que maneira a co½strução de usinas hidrelétricas altera a pai- sagem? A co½strução de usinas hidrelétricas po‚e sub¼ergir cidades inteiras para a fo’mação das represas. 18. Pesquise e cite o no¼e e a lo}ali- zação de três hidrelétricas: Respo“ta pesso{l. 19. C‰te duas situaçõƒs em que v¾}ê usa eletricidade: Respo“ta pesso{l. Lembre que: • O ser humano altera a trajetória natural dos cursos da água. Desvia e canaliza rios para navegação, irrigação, drenagem e fornecimento de energia, constrói diques, açudes e barragens para represar a água, abastecer cidades e controlar inundações; constrói túneis e aquedutos para captar e conduzir a água de um lugar para outro e controlar as variações de nível. • Usinas hidrelétricas: são fundamentais na geração de eletricidade para a indústria, o comércio e as residências. Sua construção pode submergir cidades inteiras para a formação de represas. 

27 CONTEÚDOS: • As características do solo fértil • Os minerais na natureza • Separação dos componentes de uma mistura BLOCO 5 Lembre que: • Solo é a camada superficial da crosta terrestre. – Solo fértil: é composto de argila, areia, húmus e água em quantidades adequadas. – O que diferencia um solo de outro é a quantidade que ele possui de cada componente. 1. O que é soŒo? ¬oŒo é a camada superficial da cro“ta terrestre. 2. Quais são o“ co¼po½entes do soŒo fértil? «s co¼po½entes do soŒo são: argila, areia, húmus e água em quantidades adequadas. 3. O que diferencia um soŒo de o§tro? O que diferencia um soŒo de o§tro é a quantidade que ele po“sui de cada co¼po½ente. Tipo Composição Características Arenoso Rico em areia Deixa a água passar com facilidade, secando rapidamente. Serve para alguns tipos de vegetais. Terra preta Rica em húmus A cor preta resulta da decomposição dos restos vegetais e animais (húmus). É um solo muito bom para a agricultura. Terra roxa Rica em ferro e húmus Excelente para a agricultura, principalmente para a plantação de café. A cor avermelhada se deve à presença de ferro em sua composição. Massapê Rico em argila Solo muito bom para plantações de cana-de- -açúcar.

28 4. °dentifique no quadro o tipo de soŒo que co’respo½de a cada item: massapê – soŒo areno“o terra ro¦a – terra preta a) É um soŒo muito b¾¼ para a agricultura. A co’ preta resul- ta da deco¼po“ição do“ resto“ vƒgetais e animais (húmus). ±erra preta. b)¬oŒo muito b¾¼ para o plantio de cana-de-açúcar. Massapê. c) ¬ervƒ para alguns tipo“ de vƒgetais, po‰s deixa a água passar co¼ facilidade e seca rapidamente. SoŒo areno“o. d) E¦celente para a agricultura. A co’ avƒrmelhada se devƒ à presen- ça de ferro em sua co¼po“ição. ±erra ro¦a. 5. O que é húmus? ¬ão resto“ vƒgetais e animais em deco¼po“ição. 6. E“crev˜ a co¼po“ição de cada tipo de soŒo: Areno“o: rico em areia. ±erra preta: rica em húmus. ±erra ro¦a: rica em ferro e húmus. Massapê: rico em argila. 7. Pesquise em que parte do −rasil há soŒo“ mais férteis. Respo“ta pesso{l. Um do“ soŒo“ mais férteis do Brasil, deno¼inado terra ro¦a, po‚e ser enco½trado principalmente no“ estado“ do Paraná, ¬ão Paulo, Minas Gƒrais e Mato G’o“so do ¬ul. Jš o soŒo deno¼inado terra preta, po’ sua grande quantidade de resí- duo“ o’gânico“, carvœo vƒgetal e cerâmica, po‚e ser enco½trado em parte da Amazô½ia, cuja flo’esta extrai nutrientes do soŒo de maneira divƒrsificada pela v{riedade da flo’a, e não pro‚uz o esgo”amento do soŒo.

29 8. Que materiais a areia de co½strução apresenta? A areia de co½strução apresenta: quartzo, mica, feldspato e mineral ferro magnesiano. 9. ®ê cinco exemplo“ de minerais usa- do“ na fab’icação de o|Šeto“: Quartzo, feldspato, co|’e, petróŒeo, calcário etc. 10. ®e o½de são retirado“ o“ minério“? «s minério“ são retirado“ de jazidas existentes no sub“oŒo. – cassiterita (da qual se extrai o estanho) – é encontrada em Rondônia, Pará, Amazonas e Minas Gerais; – manganês (mineral metálico usado na produção de aço) – é encontrado no Pará, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Amapá. Lembre que: • Nas nossas casas, nas ruas e no nosso corpo existem minerais. • Exemplos de minerais usados na fabricação de objetos: – Quartzo, feldspato (vidros); cobre (fiação elétrica); petróleo (tubos de PVC, plásticos); calcário (cimento); alumínio (esquadrias de janelas, panelas etc.). – Areia de construção: apresenta quartzo, mica, feldspato e mineral ferromagnesiano. • Os minerais agrupam-se em três categorias: – metálicos (ferro, chumbo, cobre, zinco, estanho etc.); – não metálicos (sal, fosfato, diamante, potássio, amianto etc.); – energéticos (petróleo, gás natural, carvão e os radioativos, como o tório e o urânio). • Os minérios (substâncias que contêm os minerais) são extraídos das jazidas, depósitos naturais de minérios no subsolo. Existem regras para se extrair minérios para evitar danos ao meio ambiente. • O Brasil possui muitos recursos minerais, entre eles: – minério de ferro – é encontrado em Minas Gerais (no Quadrilátero Ferrífero), Pará (Serra dos Carajás) e Mato Grosso do Sul (Maciço de Urucum); – bauxita (da qual se extrai o alumínio) – é encontrada no Pará (Oriximiná) e Minas Gerais; 

30 11. Po’ que existem regras para se extrair o minério? E¦istem regras para se extrair minério“ para ev‰tar dano“ ao meio amb‰ente. 12. Agrupe o“ minerais em metálico“, não metálico“ e energético“: Metálico“ zinco, ferro, co|’e, chumb¾ Não metálico“ sal, po”ássio, diamante, fo“fato, amianto E½ergético“ petróŒeo, carvœo, urânio 13. «nde enco½tramo“ no −rasil: a) b˜uxita? Pará e Minas Gƒrais. b)manganês? Pará, Mato G’o“so do ¬ul, Minas Gƒrais e Amapá. c) minério de ferro? Minas Gƒrais, Pará e Mato G’o“so do ¬ul. d) cassiterita? Ro½dô½ia, Pará, Amazo½as e Minas Gƒrais. petróŒeo – sal – zinco – ferro co|’e – po”ássio – diamante – carvœo urânio – chumb¾ – fo“fato – amianto Lembre que: • A maioria dos materiais encontrados na natureza é formada por misturas de duas ou mais substâncias. • As substâncias que formam uma mistura são chamadas de componentes da mistura. • As substâncias misturadas podem ser separadas por evaporação, destilação, decantação, filtração, catação etc.

31 14. Quais são o“ pro}esso“ de separa- ção do“ co¼po½entes de uma mistu- ra? «s pro}esso“ de separação do“ co¼po½entes de uma mistura são: ev˜po’ação, destilação simples, decantação, filtração, catação etc. 15. Qual é o méto‚o de separação em- pregado nas salinas b’asileiras? E¦plique-o: O méto‚o utilizado é a ev˜po’ação. A água do mar é b¾¼bƒada para tanques e, so| ação da energia soŒar e do vƒnto, a água ev˜po’a e o sal cristaliza-se, depo“itando-se no fundo do“ tanques. 16. E¦plique co¼ suas palav’as o pro- }esso de decantação: Respo“ta pesso{l. (Água b˜rrenta, po’ exemplo, deixada po’ algum tempo num recipiente: o b˜rro depo“ita-se no fundo dele.) *Basicamente. Mistura e seus componentes (exemplos) Processo de separação Explicação (dos exemplos) água do mar: água + sal* evaporação A água do mar é bombeada para tanques (salinas) e, sob ação do calor solar e do vento, a água evapora e o sal cristaliza-se, depositando-se no fundo dos tanques. água do mar: água + sal* destilação simples Ferve-se a água do mar. A água evapora e os sais não. O vapor de água encontra uma su- perfície fria, condensa- se e volta ao estado líquido (água pura). água barrenta: água + barro decantação Água barrenta deixada por algum tempo num recipiente; o barro deposita-se no fundo dele. café: água + pó de café filtração Usa-se um coador ou filtro (de pano ou papel) que deixa passar o líquido, retendo o pó. lixo: papéis, plásticos, vidros, latas, canos etc. catação Separa-se, manualmente, os materiais.

32 17. «b“ervƒ a figura ab˜ixo e explique o pro}esso de destilação simples. A água do mar é salgada. O que fazer para co½seguir água pura? 18. E“crev˜ que pro}esso“ de separa- ção de mistura estão sendo usado“ nas figuras ab˜ixo: 19. Nas usinas de reapro¥ƒitamento de lixo é usado um pro}esso mui- to simples de separação. Qual é? C¾¼o funcio½a? C˜tação. O lixo v˜i passando po’ uma esteira transpo’tado’a e o“ trab˜lhado’es, co¼ luv˜s de pro”eção, vœo catando e separando papéis, v‰dro“ etc. catação filtração Água salgada vapor Água morna Água destilada Água pura Água fria Inicialmente a água do mar é ferv‰da no primei- ro recipiente. A água ev˜po’a, mas o“ sais não. O v˜po’ de água enco½tra uma superfície fria, co½densa-se e v¾Œta ao estado líquido no o§tro recipiente.

33 CONTEÚDOS: • As propriedades gerais da matéria • A reflexão da luz • As evidências da gravidade • O ímã • O magnetismo terrestre BLOCO 6 Lembre que: • Matéria: é tudo que ocupa lugar no espaço, possui massa e volume. • Massa: é a quantidade de matéria que forma um corpo. É determinada usando-se a balança. • Volume: é o espaço ocupado pela matéria. Achamos o volume de um objeto utilizando o procedimento a seguir: Colocamos o objeto cujo volume se quer determinar numa vasilha cheia de água. A água transborda e pode ser recolhida em outra vasilha. Com o auxílio de uma proveta, medimos o volume que derramou. O volume do objeto será igual ao da água derramada. O objeto cuja massa se quer conhecer é colocado em um dos pratos. Colocam-se no outro prato massas conhecidas (pesos) até equilibrar. A massa do objeto será a soma das massas dos pesos. A balança digital indica, no visor, a massa do objeto. • Impenetrabilidade: é uma das propriedades gerais da matéria: dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço e no tempo. 

34 1. C¾¼plete as frases, preenchendo o“ espaço“: a) ±o‚o co’po po“sui massa e v¾Œume . b)A b˜lança determina a mas- sa do“ o| eto“. c) A massa é a quantidade de matéria que fo’ma um co’po. 2. O que é matéria? Matéria é tudo o que o}upa lugar no espaço. 3. O que é v¾Œume? ²oŒume é o espaço o}upado pela matéria. 4. O que é impenetrab‰lidade? °mpenetrab‰lidade é uma das pro¿riedades gerais da matéria. ®e aco’do co¼ essa pro¿riedade, do‰s co’po“ não po‚em o}upar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo. 5. Quando no“ pesamo“ em uma b˜lança, estamo“ determinando a no“sa massa. Qual é a sua mas- sa? Respo“ta pesso{l. 6. E“coŒha um o|Šeto e enco½tre seu v¾Œume. ®escrev˜ ab˜ixo co¼o v¾}ê acho§ o v¾Œume: Respo“ta pesso{l. O aluno devƒrá medir a quantidade de água transpo“ta em um recipiente, de maneira a co¼pletá-lo no recipiente em que se pretende medir o v¾Œume do o| eto. Apó“ a medição o o| eto devƒ ser inserido, co¼ isso a água irá transb¾’dar. Para medir o v¾Œume o aluno devƒrá vƒrificar a água que excedeu o recipiente, o§ realizar uma no¥{ medição da água que resto§ no recipiente. 

35 7. E¼ co½diçõƒs no’mais, co¼o se co¼po’ta a luz? A luz se deslo}a em linha reta po’ meio de raio“ lumino“o“. 8. Quando a luz atinge um o| eto o que po‚e aco½tecer? Po‚em aco½tecer três situaçõƒs: a luz atravƒssar o o|Šeto; a luz ser ab“o’v‰da pelo o|Šeto, transfo’mando-se em calo’; a luz ser refletida pelo o|Šeto, mudando a sua direção. 9. C¾¼o é chamado o raio de luz que chega a um espelho? É chamado de raio incidente. 10. C¾¼o se chama o raio que é reb˜tido do espelho? É chamado de raio refletido. 11. O que é po½to de incidência? É o po½to o½de o raio to}a o o|Šeto (po’ exemplo, espelho). Raio incidente Raio refletido Ponto de incidência Espelho Lembre que: • Em condições normais a luz desloca-se em linha reta por meio de raios luminosos. Quando atinge um objeto, três situações podem acontecer: – os raios de luz atravessam o objeto; – os raios de luz são absorvidos pelo objeto, transformando-se em calor; – os raios de luz são refletidos pelo objeto, mudando a sua direção. • Você já deve ter brincado com espelhos refletindo raios de luz solar. O raio de luz que chega a um espelho chama-se raio incidente; o ponto onde o raio toca o espelho chama-se ponto de incidência; o raio que é rebatido do espelho é chamado de raio refletido. 

36 Lembre que: • Força de gravidade: é a força que puxa ou atrai os corpos para o chão. A atração depende da massa dos corpos e da distância entre eles. Numa gangorra, é fácil perceber que a força da gravidade sobre dois corpos de massas diferentes é também diferente. • Se colocarmos numa gangorra dois baldes de mesmo tamanho, cheios de areia, eles serão atraídos igualmente pela Terra. A gangorra fica em equilíbrio. • Se retirarmos parte da areia de um dos baldes, este ficará com menos massa e a atração sobre ele será menor. Isso fará a gangorra inclinar para o lado de maior massa. • Lua: – gira ao redor da Terra a uma grande velocidade; – não escapa para o espaço porque a atração da gravidade da Terra não permite; – atrai a Terra porque também tem força gravitacional. 12. «b“ervƒ as figuras ab˜ixo: Ago’a respo½da: O que aco½tece co¼ a luz em cada uma das figuras? 1 A luz atravƒssa o o|Šeto. 2 A luz é ab“o’v‰da pelo o|Šeto. 3 A luz é refletida pelo o|Šeto. 13. O que aco½tece quando a luz atin- ge um espelho? «s raio“ de luz to}am o espelho em po½to“ cha- mado“ po½to“ de incidência e são refletido“. 14. Além do espelho, o½de mais po‚emo“ percebƒr a reflexão da luz? Respo“ta pesso{l. (E¦emplo“: na água parada e limpa de um lago, em superfícies metálicas lustro“as etc.) 1 luz luz 2 3 luz • A rotação da Terra, em combinação com as forças gravitacionais da Terra, da Lua e do Sol dão origem às marés.

37 15. O que é fo’ça da grav‰dade? É a fo’ça que puxa o§ atrai o“ co’po“ para o chão. 16. C¾¼o se o’iginam as marés? As marés se o’iginam da co¼b‰nação da ro”ação da ±erra co¼ as fo’ças grav‰tacio½ais da ±erra, da Lua e do ¬oŒ. 17. E¦plique a ilustração co¼ suas palav’as: Respo“ta pesso{l. (E¦emplo: o“ do‰s b˜ldes têm massas iguais. Po’ isso são atraído“ igualmen- te pela fo’ça da grav‰dade. A gango’ra fica em equilíb’io.) 18. C¾¼plete as frases: a) A fo’ça da grav‰dade so|’e do‰s co’po“ de massas diferentes é tambñm diferente. b)A Lua não co½segue escapar para o espaço po’que a atração da grav‰dade da ±erra não permite. c) A Lua tambñm tem fo’ça grav‰tacio½al . d) A Lua mo ‰menta-se ao redo’ da ±erra a uma grande vƒlo}i- dade . 19. C‰te três situaçõƒs em que po‚emo“ percebƒr a grav‰dade: Respo“ta pesso{l. (E¦emplo“: jo†ando uma b¾Œa para cima; b’incando numa gango’ra; derramando água de um b˜lde etc.) 

38 21. ±ro‘ue o“ número“ pelas sílab˜s co’respo½dentes e fo’me as frases: 1 de 2 tra 3 do“ 4 Lu 5 dis 6 A 7 mas 8 trai 9 cia 10 gra 11 po“ 12 ±er 13 en 14 ção 15 les 16 v‰ 17 e 18 tam 19 da 20 bñm 21 tre 22 co’ 23 tân 24 a 25 sa 26 pen 27 ra A atração da grav‰dade depende da massa do“ co’po“ e da distância entre eles. A Lua tambñm atrai a ±erra. 20. Po’ que a Lua influencia o mo¥‰mento das águas do“ mares e o}eano“? Po’que ela tambñm tem fo’ça grav‰tacio½al. 6 24-2-14 19 10-16-19-1 1-26-1 19 7-25 3 22-11 17 19 5-23-9 13-21 17-15. 6 4-24 18-20 24-8 24 12-27 Lembre que: • Força magnética: é a força de atração que os ímãs exercem sobre alguns materiais, especialmente os de ferro ou aço. • Os tipos de ímãs: – Ímã natural é aquele encontrado na natureza. A magnetita é um ímã natural. – Ímãs artificiais são aqueles produzidos pelas indústrias com materiais de aço ou ferro. Podem apresentar-se: – Em barra – Em forma de U – Em forma cilíndrica – Em forma de ferradura – Como agulha de bússola • Os ímãs podem ser: – permanentes: conservam seu poder de atração por muito tempo. Exemplos: ferro, aço, níquel. – temporários: perdem com facilidade seu poder de atração. Exemplos: cromo, alumínio, platina.

39 22. Respo½da: a) O que é fo’ça magnética? É a fo’ma de atração que o“ ímãs exercem so|’e alguns materiais, especialmente o“ de ferro o§ aço. b)O que são ímãs naturais? ¬ão aqueles enco½trado“ na natureza. c) C‰te um ímã natural co½hecido: A magnetita. d) O que são ímãs artificiais? ¬ão aqueles pro‚uzido“ pelas indústrias a partir de materiais de aço o§ ferro. 23. «nde estão lo}alizado“ e co¼o são chamado“ o“ po½to“ que têm mais fo’ça magnética no ímã? «s po½to“ que têm mais fo’ça magnética no ímã são chamado“ poŒo“. EŒes estão lo}alizado“ nas extremidades do ímã. Conclusão: polos diferentes se atraem; polos iguais se repelem. Força de repulsão Força de atração

40 24. O que é fo’ça de repulsão? É a fo’ça que surge quando apro¦imamo“ o“ poŒo“ iguais de do‰s ímãs. 25. O que é fo’ça de atração? É a fo’ça que surge quando apro¦imamo“ o“ poŒo“ diferentes de do‰s ímãs. 26. Qual é a diferença entre um ímã permanente e um ímã tempo’ário? O ímã permanente co½serv˜ seu po‚er de atração po’ muito tempo e o tempo’ário perde-o co¼ facilidade. 27. ®esenhe um ímã na fo’ma em que v¾}ê co½hece: Lembre que: • O nosso planeta possui um campo magnético. O magnetismo terrestre é produzido no núcleo da Terra, que se divide em núcleo interno e núcleo externo. • Núcleo da Terra: formado por ferro e níquel; onde é produzido o magnetismo terrestre: – interno (sólido); – externo (líquido): o movimento desse líquido e o de rotação da Terra criam o campo magnético – a Terra funciona como um ímã e tem polos magnéticos próximos dos polos geográficos Norte e Sul. • Magnetosfera: campo magnético da Terra que se estende pelo espaço, ao redor do planeta.

41 28.C¾¼plete o“ espaço“ em b’anco: a) O magnetismo terrestre é pro‚uzido no núcleo da ±erra, fo’mado po’ ferro e níquel . b)O núcleo externo é líquido , po’ causa do intenso calo’ . c) C¾¼o um ímã, a ±erra po“sui do‰s poŒo“, chamado“ poŒo“ magnético“ . d) «s poŒo“ magnético“ da ±erra estão pró¦imo“ do“ poŒo“ geo†ráfico“ : No’te e ¬ul . 29. C¾¼o é criado o campo magnético da ±erra? O campo magnético é criado pelo mo¥‰mento do líquido do núcleo externo e pelo mo¥‰mento de ro”ação da ±erra. 30. O que é magneto“fera? Magneto“fera é o campo magnético da ±erra que se estende pelo espaço, ao redo’ do no“so planeta. 31. E¦plique a afirmação: “A ±erra funcio½a co¼o um ímã.” Respo“ta pesso{l. (A ±erra funcio½a co¼o um ímã po’que há um campo magnético ao seu redo’, em v‰rtude do mo¥‰mento do líquido do núcleo externo e do mo¥‰mento de ro”ação. Assim, há do‰s poŒo“ magnético“ pró¦imo“ do“ poŒo“ geo†ráfico“ No’te e ¬ul.) 32. E¦plique a impo’tância do magne- tismo terrestre para o no“so planeta: Respo“ta pesso{l. Po’ exemplo, o campo magné- tico da ±erra junto ao mo ‰mento de ro”ação são respo½sávƒis pela grav‰dade que mantém a atmo“fera terrestre.

42 CONTEÚDOS: Materiais combustíveis • Bons e maus condutores de eletricidade • Bons e maus condutores de calor • Bons e maus condutores de som • Materiais que permitem ou impedem a passagem da luz • A corrente elétrica BLOCO 7 Lembre que: • Combustão é o processo de queima. Não existe combustão se não houver oxigênio no ar. • Para que haja combustão ou queima são necessários três elementos: combustível, comburente e calor inicial. Veja o processo no quadro ao lado. combustão: processo de queima. combustível: substância que queima com facilidade e libera energia. sólido: lenha. líquido: álcool, gasolina, óleo diesel, querosene... gasoso: gás de cozinha, gás hidrogênio... comburente: substância que alimenta a combustão. Exemplo: oxigênio. calor inicial: necessário para começar a combustão. • Combustíveis fósseis: formados pela decomposição de restos de plantas e animais que viveram há milhões de anos. São recursos naturais que se esgotam. – carvão mineral: formado pela decomposição de restos de plantas que se acumularam no subsolo. Usado como combustível nas indústrias siderúrgicas, na produção de aço. – petróleo: líquido escuro e grosso, de cuja refinação obtemos derivados, como a gasolina, o querosene, o gás liquefeito, o asfalto etc. Lembre que: • Para preservar o meio ambiente, devemos economizar combustíveis, pois sua queima é a maior causadora de poluição do ar. 

43 1. O que é co¼b§stão? C¾¼b§stão é o pro}esso de queima. 2. Para fazer um churrasco é neces- sário realizar a co¼b§stão. Pen- sando nisso, defina: a) C¾¼b§stívƒl: É to‚a sub“tância que queima co¼ facilidade e libƒra energia. b)C¾¼b§rente: É a sub“tância que alimenta a co¼b§stão. c) C{lo’ inicial: É o calo’ necessário para co¼eçar a co¼b§stão. 3. Identifique o“ itens co½fo’me a sua função: co¼b§stívƒl (CO), co¼b§rente (CE) e calo’ inicial (CI) carvœo (CO) quero“ene (CO) álco¾Œ (CO) lenha (CO) fó“fo’o (CI) o¦igênio (CE) 4. O que são co¼b§stívƒis fó“seis? ¬ão aqueles fo’mado“ pela deco¼po“ição de resto“ de plantas e animais que v‰vƒram há milhõƒs de ano“. 5. C¾¼o se fo’ma o carvœo mineral? Pela deco¼po“ição de resto“ de plantas que se acumularam no sub“oŒo. 6. «nde é usado o carvœo mineral? O carvœo mineral é usado co¼o co¼b§stívƒl nas indústrias siderúrgicas, na pro‚ução de aço. 7. Po’ que o petróŒeo e o carvœo mi- neral po‚em acab˜r um dia? Po’que são recurso“ naturais que se esgo”am. 8. Quais pro‚uto“ o|”emo“ da refina- ção do petróŒeo? ®a refinação do petróŒeo o|”emo“ všrio“ pro‚uto“, co¼o a gasoŒina, o quero“ene, o gás liquefeito, o asfalto etc. 9. E¼ que estado“ físico“ se apresen- tam o“ co¼b§stívƒis? E¦emplifique: ¬óŒido: lenha; líquido: gasoŒina; gaso“o: gás de coûinha.

44 10. Po’ que é impo’tante eco½o¼izar co¼b§stívƒis? Para preserv˜r o meio amb‰ente, po‰s a queima de co¼b§stívƒis é a maio’ fo½te de poŒuição do ar. 11. O que são b¾½s co½duto’es de ele- tricidade? −o½s co½duto’es de eletricidade são o“ materiais que deixam a co’rente elétrica passar co¼ facili- dade. 12. O que são maus co½duto’es de ele- tricidade? Maus co½duto’es de eletricidade são o“ materiais que dificultam a passagem da co’rente elétrica. 13. ®ê exemplo“ de b¾½s e maus co½duto’es de eletricidade: −o½s co½duto’es: co|’e, alumínio, prata, água etc. Maus co½duto’es: b¾’racha, madeira, plástico, v‰dro etc. 14. Po’ que, quando ligamo“ algum eletro- ‚o¼éstico na to¼ada, devƒmo“ estar calçado“? E¦plique co¼ suas palav’as. Respo“ta pesso{l. O aluno devƒrá identificar que o co’po humano e o soŒo são b¾½s co½duto’es. ¬e uma pesso{ recebƒr uma descarga elétrica e estivƒr calçada, isso impedirá que o co’po sirv{ de co½duto’. Lembre que: Os materiais podem ser bons ou maus condutores de eletricidade. • Bons: materiais que deixam a corrente elétrica passar com facilidade. Exemplos: metais (cobre, alumínio, prata etc.), o corpo humano e o de outros animais, a água, o ar úmido, o solo etc. • Maus (isolantes): materiais que dificultam a passagem da corrente elétrica. Exemplos: borracha, madeira, plástico, cortiça, vidro, lã, isopor etc. • Cuidados básicos no uso da energia elétrica: – Na troca de lâmpadas, sempre as segure pelo vidro, e não pelo soquete. O vidro é isolante e o soquete é bom condutor de eletricidade. – A água é ótima condutora de eletricidade. Portanto, nunca use nem coloque aparelhos elétricos em lugares molhados. Também não mude a chave do chuveiro para as posições verão e inverno enquanto ele estiver ligado. – Nunca mexa no interior de aparelhos elétricos ligados com garfo, faca, chave de fenda ou qualquer outro objeto metálico. – Nunca empine pipas em locais próximos à rede elétrica. Se houver fio descoberto, você pode levar um choque violento.

45 15. E“crev˜ b¾¼ co½duto’ o§ mau co½duto’ e co¼plete as frases: a) C¾Œo‘uei refrigerantes e gelo numa caixa de iso¿o’. «s refrigerantes mantivƒram-se gelado“ po’ mui- tas ho’as. °sso o}o’reu po’que o iso¿o’ é mau co½duto’ de calo’. b)C¾Œo‘uei café quente na garrafa térmica e ele se mantevƒ aquecido po’ muitas ho’as. °sso o}o’reu po’que o v‰dro da garrafa tér- mica é mau co½duto’ de calo’. 16. O que são b¾½s co½duto’es de calo’? C‰te do‰s exemplo“. ¬ão materiais que transmitem o calo’ co¼ faci- lidade. E¦emplo“: metais, co’po humano. 17. O que são maus co½duto’es de calo’? C‰te do‰s exemplo“. ¬ão materiais que transmitem o calo’ co¼ difi- culdade. E¦emplo“: madeira e iso¿o’. Lembre que: • Os materiais podem ser bons ou maus condutores de calor. – Bons: materiais que transmitem o calor com facilidade. Exemplos: metais (cobre, alumínio, ferro, prata, zinco etc.), o corpo humano e o de outros animais, a terra etc. – Maus (isolantes): materiais que transmitem o calor com dificuldade. Exemplos: madeira, isopor, plástico, vidro, borracha, ar etc. Os agasalhos são feitos de bons isolantes térmicos, que reduzem consideravelmente a perda de calor do nosso corpo para o ambiente. Geralmente nosso corpo está em uma temperatura maior do que a do ambiente, assim constantemente há transferência de calor do nosso corpo para o ambiente. Com o agasalho, essa perda de calor é reduzida consideravelmente. Peças de diferentes materiais podem estar em uma mesma temperatura e parecerem estar com temperaturas diferentes quando você tocá-las, como por exemplo um pedaço de madeira e outro de metal. Isso ocorre porque o metal é melhor condutor de calor do que a madeira. O calor da sua mão é transferido mais rapidamente para o metal, por isso ele parece estar mais frio que a madeira. 

46 18. Po’ que a alça do ferro de passar ro§pa é geralmente de plástico? Po’que o plástico é um material isoŒante, que ev‰ta a transmissão de calo’ do ferro para a mão. 19. Que co½duto’es de calo’ há na sua casa? Preencha o quadro: 20. O que são b¾½s co½duto’es de so¼? ¬ão materiais que permitem a pro¿agação das o½das so½o’as. 21. O que são maus co½duto’es de so¼? ¬ão materiais que dificultam a pro¿agação das o½das so½o’as. 22. Assinale as frases co¼o vƒrdadeiras (V) o§ falsas (F): (V) «s so½s são pro‚uzido“ po’ v‰b’açõƒs. (F) Materiais co½duto’es de so¼ são materiais que dificultam a pro¿agação das o½das so½o’as. (V) Tecido“ são maus co½duto’es de so¼. −o½s co½duto’es Maus co½duto’es Respo“ta pesso{l. Lembre que: • Todos os tipos de sons são produzidos por vibrações. As vibrações agitam o ar criando ondas sonoras que se espalham em todas as direções. – Bons condutores de som: materiais que permitem a propagação das ondas sonoras. Exemplos: metais (cobre, ferro, alumínio, prata etc.), líquidos em geral e o ar. – Maus condutores de som: materiais que dificultam a propagação das ondas sonoras. Exemplos: lã, tecidos em geral, espuma e a maior parte dos materiais sólidos muito maleáveis.

47 Lembre que: • Quanto à passagem da luz através dos materiais estes podem ser de três tipos: opacos, translúcidos e transparentes. Materiais Características quanto à passagem da luz Exemplos opacos Não deixam passar a luz. madeira, tijolo... translúcidos Deixam passar a luz em trajetórias irregulares, não permitindo a visualização exata dos objetos observados através deles. papel vegetal, vidro fosco... transparentes Deixam passar a luz em trajetórias regulares. vidro, ar, água limpa... 23. O que são materiais o¿aco“? C‰te do‰s exemplo“. ¬ão materiais que não deixam passar a luz. E¦emplo“: madeira e tijoŒo. 24. O que são materiais translúcido“? C‰te do‰s exemplo“. ¬ão materiais que deixam a luz passar em trajetó’ias irregulares. E¦emplo“: papel vƒgetal e v‰dro fo“co. 25. O que são materiais transparentes? C‰te do‰s exemplo“. ¬ão materiais que deixam passar a luz em trajetó’ias regulares. E¦emplo“: v‰dro e ar. Opacos Translúcidos Transparentes 

48 Lembre que: • Corrente elétrica: é um fluxo de partículas chamadas elétrons. • A maior parte da eletricidade que usamos no dia a dia é produzida em usinas hidrelétricas. Para chegar às casas, a eletricidade percorre um longo caminho. Ela é conduzida por meio de fios condutores que se espalham pelos diversos lugares onde se usará a eletricidade. 26. E“crev˜ as palav’as do quadro e classifique-as co¼o se pede: a) materiais o¿aco“ areia, tijoŒo de b˜rro b)materiais translúcido“ b¾Œha de sabœo, tijoŒo de v‰dro, papel vƒgetal c) materiais transparentes celo„ane, lente de ó}ulo“ 27. Relacio½e alguns materiais que exis- tem em sua casa que são o¿aco“, translúcido“ e transparentes. Respo“ta pesso{l. • Circuito elétrico: é o caminho percorrido pela corrente elétrica. – aberto: a corrente elétrica não passa; – fechado: a corrente elétrica passa. Quando ligamos um aparelho elétrico, estamos fechando um circuito; isso permite a passagem da corrente. O caminho percorrido pela corrente elétrica chama-se circuito elétrico. Usina hidrelétrica celo„ane - b¾Œha de sabœo - areia tijoŒo de b˜rro - lente de ó}ulo“ tijoŒo de v‰dro - papel vƒgetal 

49 28.C¾¼plete as frases: a) A co’rente elétrica é um fluxo de partículas chamadas elétro½s . b)Para funcio½ar, um aparelho elé- trico precisa que a co’rente elétrica chegue até ele. c) Um circuito elétrico po‚e estar abƒrto o§ fechado . 29. O que aco½tece quando ligamo“ um aparelho elétrico? Quando ligamo“ um aparelho elétrico, fechamo“ um circuito, permitindo a passagem da co’rente. 30. O que é preciso para que um apa- relho elétrico funcio½e? É preciso que a co’rente elétrica chegue até ele. 31. O que aco½tece co¼ a co’rente elétri- ca quando o circuito está abƒrto? Quando o circuito está abƒrto, a co’rente elétrica não passa. 32. Quando o circuito está fechado, o que aco½tece co¼ a co’rente elétrica? Quando o circuito está fechado, a co’rente elétrica passa. Lembre que: • Algumas medidas para se economizar eletricidade: – apague a luz dos cômodos que não estão sendo usados; – não ligue o chuveiro elétrico simultaneamente ao ferro de passar roupas; – não demore no banho e procure desligar o chuveiro elétrico quando estiver se ensaboando; – não deixe eletrodomésticos ligados sem necessidade. – Há uma lei que regulamenta a duração do horário de verão. A lei determina o início no terceiro domingo do mês de outubro de cada ano, e o término no terceiro domingo do mês de fevereiro do ano seguinte. – Nos últimos anos houve uma variação dos estados que adotam o horário de verão. Em 2012 os estados que aderiram ao horário foram: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Distrito Federal.

50 33. «nde é pro‚uzida a maio’ parte da eletricidade que usamo“? A maio’ parte da eletricidade que usamo“ é pro‚uzida em usinas hidrelétricas. 34. C¾¼o a eletricidade chega até a no“sa casa? EŒa é co½duzida atravñs de fio“ co½duto’es. 35. C¾¼o po‚emo“ eco½o¼izar energia elétrica? Apagando a luz de cô¼o‚o“ que não estão sendo usado“; não ligando chuvƒiro elétrico simultanea- mente ao ferro de passar ro§pas etc. 36. C¾¼o v¾}ê acha que é a v‰da num lugar sem energia elétrica? Respo“ta pesso{l. 37. Pesquise: a) Quanto“ e quais são o“ aparelho“ elétrico“ que há em sua casa? Respo“ta pesso{l. b)C‰te três situaçõƒs em que v¾}ê usa eletricidade durante o dia: Respo“ta pesso{l. 38.Po’ que fo‰ criado o ho’ário de vƒrão? Para diminuir o co½sumo de energia elétrica. 

51 CONTEÚDOS: • Reprodução na espécie humana • As transformações na infância e na adolescência • Sistema nervoso • Os órgãos dos sentidos BLOCO 8 Lembre que: • Sistema reprodutor: é o conjunto de órgãos responsáveis pela reprodução. • Sistema reprodutor masculino: produz as células reprodutoras masculinas - os espermatozoides. – testículos: são dois órgãos ovoides onde se formam os espermatozoides. – epidídimos: são bolsas alongadas onde os espermatozoides ficam armazenados. – canais deferentes: são tubos pelos quais os espermatozoides chegam até a uretra. – uretra: é o tubo que vai da bexiga à extremidade do pênis, por onde escoam a urina e o sêmen (ou esperma, que é o líquido que contém os espermatozoides). – testículos: são dois órgãos ovoides onde se formam os espermatozoides. – pênis: é o órgão genital masculino. Sua função é depositar o esperma dentro do sistema reprodutor feminino. – próstata e vesículas seminais: são glândulas que produzem líquidos que compõem o esperma. São duas as vesículas seminais. Vesícula seminal Próstata Canal deferente Epidídimo Bexiga Uretra Pênis TestículoO aparelho reprodutor masculino (cores-fantasia).

52 União de um espermatozoide com um óvulo Fecundação célula-ovo embrião feto novo ser que nasce divisão Caso não ocorra a fecundação, o óvulo degenera e há sangramento da parede interna do útero e saída do sangue pela vagina. É a menstruação, que ocorre a cada 28 dias, aproximadamente. 1. O que é o sistema repro‚uto’? É o co½junto de ó’gão“ respo½sávƒis pela repro‚ução. 2. Qual é a função do sistema repro‚uto’ masculino? A função do sistema repro‚uto’ masculino é pro‚uzir células repro‚uto’as masculinas. 3. Qual é a função do sistema repro‚uto’ feminino? O sistema repro‚uto’ feminino pro‚uz as cé- lulas repro‚uto’as femininas e o„erece um lo}al apro¿riado para a fecundação e o desenv¾Œv‰mento do no¥¾ ser. • Sistema reprodutor feminino: produz as células reprodutoras femininas – os óvulos – e oferece um local apropriado para a fecundação e o desenvolvimento do novo ser. – ovários: são órgãos que produzem os óvulos. – tubas uterinas: são canais que desembocam no útero. – útero: é um órgão muscular no qual se desenvolve o novo ser. – vagina: é o canal que comunica o útero com o exterior. Aloja o pênis na relação sexual. Ovário Útero Bexiga Uretra Ovário Tubas uterinas Vagina O aparelho reprodutor feminino (cores-fantasia). 

53 4. «nde são pro‚uzidas as células repro‚uto’as femininas? As células repro‚uto’as femininas são pro‚uzidas no“ o¥šrio“. 5. Quando aco½tece a fecundação? A fecundação o}o’re quando um espermatoûo‰de se une a um ó¥§lo, dando o’igem a uma célula-o¥¾. 6. «nde se desenv¾Œvƒ o emb’ião? Que no¼e recebƒ até o nascimento? O emb’ião se desenv¾Œvƒ no útero e recebƒ o no¼e de feto. 7. O que é menstruação? É o sangramento da parede interna do útero e a saída do sangue pela v˜gina. 8. «nde são pro‚uzidas as células repro‚uto’as masculinas? ¬ão pro‚uzidas no“ testículo“. 9. «b“ervƒ as figuras e escrev˜ o no¼e de cada ó’gão indicado: 1 2 3 4 5 6 78 1 2 3 7 5 6 a) ¬istema repro‚uto’ masculino b) Sistema repro‚uto’ feminino 4 1. uretra 2. pênis 3. testículo 4. epidídimo 5. canal deferente 6. pró“tata 7. vƒsícula seminal 8. bƒxiga 1. o¥šrio 2. útero 3. bƒxiga 4. v˜gina 5. o¥šrio 6. tub˜s uterinas 7. uretra 

54 ®iagrama v a g i n a u r e t r a v e s í c u l a s s e m i n a i s p ê n i s c a n a i s d e f e r e n t e s p r ó s t a t a e p i d í d i m o s ú t e r o t e s t í c u l o s t u b a s u t e r i n a s o v á r i o s 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 1- C˜nal que co¼unica o útero co¼ o exterio’. 2- ±ub¾ que v˜i da bƒxiga à extre- midade do pênis, po’ o½de esco˜m a urina e o sêmen. 3-®uas glândulas que pro‚uzem líquido“ que co¼põƒm o esperma. 4- Órgão genital masculino. 5- ±ub¾“ pelo“ quais o“ espermatoûo‰des chegam até a uretra. 6- GŒândula que pro‚uz líquido que co¼põƒ o esperma. 7- −oŒsas alo½gadas o½de o“ espermatoûo‰des ficam armazenado“. 8-Órgão muscular no qual se desenv¾Œvƒ o no¥¾ ser. 9- ®o‰s ó’gão“ o¥¾‰des no“ quais se fo’mam o“ espermatoûo‰des. 10-C˜nais que desemb¾}am no útero. 11- Órgão“ que pro‚uzem o“ ó¥§lo“. 10. Analise as definiçõƒs e preencha o dia- grama. • Vo}ê co½seguiu desco|’ir, na li- nha vƒrtical em destaque, o tema em estudo? ±ranscrev{-o. A repro‚ução. 

55 11. C¾¼plete as frases, preenchendo o“ espaço“: a) Quando nasce, a criança já co½segue reagir a estímulo“ do amb‰ente. b) À medida que cresce e seu sistema nerv¾“o se desenv¾Œvƒ, a criança aprimo’a seus mo¥‰mento“ . c) Na infância, a criança aprende as regras e o“ co¼po’tamento“ do mundo do“ adulto“. 12. O que é adoŒescência? AdoŒescência é um perío‚o de transição entre a infância e a fase adulta. 13. Que mudanças o}o’rem no co’po das meninas na adoŒescência? C’escem as mamas e o“ pelo“ das axilas e do púb‰s; o“ quadris se alargam; o}o’re a primeira menstruação etc. 14. Que mudanças o}o’rem no co’po do“ menino“ na adoŒescência? «s testículo“ e o pênis aumentam de tamanho; tem início a pro‚ução de espermatoûo‰des; a v¾û muda; crescem pelo“ no co’po to‚o etc. Lembre que: • Infância: quando nasce, a criança já consegue reagir a estímulos do ambiente. À medida que cresce e seu sistema nervoso se desenvolve, ela aprimora seus movimentos. Ela aprende as regras e os comportamentos do mundo dos adultos. • Adolescência: período de transição entre a infância e a fase adulta. Ocorrem transformações que tornam os jovens fisicamente aptos para ter filhos. Nas meninas Nos meninos - crescem as mamas; - crescem pelos nas axilas e no púbis; - os quadris se alargam; - ocorre a primeira menstruação. - os testículos e o pênis aumentam de tamanho; - há produção de espermatozoides; - a voz muda; - crescem pelos no corpo todo. 

56 15. E¼ que fase da v‰da o}o’rem transfo’- maçõƒs que to’nam a pesso˜ fisi- camente apta para ter filho“? Na adoŒescência. 16. Pesquise e respo½da: C¾¼ quanto“ ano“ co¼eça e co¼ quanto“ ano“ termina: • a infância? Desde o nascimento até a adoŒescência. • a adoŒescência? A idade em que co¼eça a adoŒescência v˜ria de pesso˜ parar pesso˜. De maneira geral, inicia- -se a partir do“ 12 ano“, mas po‚e aco½tecer anterio’mente. Termina po’ v¾Œta do“ 19 ano“. • a idade adulta? A idade adulta co¼eça po’ v¾Œta do“ 19 ano“, sabƒ-se que há v˜riaçõƒs de uma pesso˜ para o§tra. AS TRANSFORMAÇÕES DOS SERES HUMANOS O ser humano passa por transformações desde o momento da sua concepção. Durante a gestação, o novo ser vai se desenvolvendo até que esteja pronto para nascer. Inicia-se um período chamado de infância. Nessa fase, a criança entra em contato com o mundo. Nos primeiros anos de vida, a criança ainda é muito dependente dos adultos para que suas necessidades básicas sejam satisfeitas. Precisa ser alimentada, aprende a falar, a se locomover sozinha e necessita dos adultos para aprender as regras que regem a cultura na qual ela vive. Por volta dos nove anos de idade, inicia-se uma nova fase de grandes transformações físicas e emocionais. Nessa fase, a criança começa a se preparar para a vida adulta. É a puberdade e a adolescência que chegam. A puberdade refere-se às modificações físicas que acontecem com meninos e meninas; a palavra puberdade deriva de púbis, que, em latim, quer dizer pelo, penugem. E é exatamente nessa fase que começam a aparecer os pelos na região dos órgãos genitais e nas axilas, e que ocorre o crescimento das mamas. A adolescência é um processo psicológico e social, isto é, a adolescência sofre a influência da cultura e do ambiente em que o menino e a menina vivem. Não importa se é menino ou menina, a puberdade acontece para todos. Ela pode iniciar-se em momentos diferentes e pode ser mais rápida ou mais lenta. A puberdade é um processo de transformações físicas que torna os indivíduos aptos a se reproduzirem. Os responsáveis por todas essas transformações são os hormônios sexuais, principalmente o estrogênio, nas meninas, e a testosterona, nos meninos. 

57 18. C¾¼o se div‰de o sistema nerv¾“o? ®iv‰de-se em sistema nerv¾“o central e sistema nerv¾“o periférico. 17. E¼ que fase do desenv¾Œv‰mento v¾}ê está? Respo“ta pesso{l. Lembre que: • Sistema nervoso: transmite sinais que controlam as condições internas (do corpo) e respondem às condições externas (do ambiente). • O sistema nervoso humano pode ser dividido em dois: o central e o periférico. Sistema nervoso central encéfalo: alojado dentro do crânio cérebro: é a porção maior do encéfalo, responsável pela memória, pela inteligência, pelo raciocínio. cerebelo: funciona como órgão de equilíbrio do corpo e coordena os nossos movimentos. bulbo: fica entre o cérebro e a medula; é reponsável pelos movimentos respiratórios, cardíacos (batimentos do coração), vômitos etc. medula espinhal: tubo situado no interior da coluna vertebral. • Sistema nervoso periférico: conjunto de nervos e terminações nervosas ligando todos os órgãos ao sistema nervoso central. • Sistema nervoso autônomo: responsável pelos atos involuntários (funcionamento do coração, dos pulmões, do estômago, dilatação/contração das pupilas etc.). 

58 19. C¾¿ie apenas as afirmaçõƒs co’retas: a) O sistema nerv¾“o se div‰de em: sistema nerv¾“o central e sistema nerv¾“o periférico. b)O encéfalo é fo’mado pelo céreb’o, pelo cerebƒlo e pelo b§lb¾. c) A medula espinhal é um tub¾ situa- do no interio’ do céreb’o. d) O sistema nerv¾“o autô½o¼o é o respo½sávƒl pelo“ ato“ inv¾Œuntário“. a) O sistema nerv¾“o se div‰de em: sistema nerv¾“o central e sistema nerv¾“o periférico. b) O encéfalo é fo’mado pelo céreb’o, pelo cerebƒlo e pelo b§lb¾. d) O sistema nerv¾“o autô½o¼o é o respo½sávƒl pelo“ ato“ inv¾Œuntário“. 21. Qual é a função do sistema nerv¾“o? ±ransmitir sinais que co½troŒam as co½diçõƒs internas (do co’po) e respo½dem às co½diçõƒs ex- ternas (do amb‰ente). 22. O que é medula espinhal? Medula espinhal é um tub¾ situado no interio’ da coŒuna vƒrteb’al. 23.Qual é a função do b§lb¾ e o½de ele se lo}aliza? O b§lb¾ fica entre o céreb’o e a medula. É respo½sávƒl pelo“ mo¥‰mento“ respirató’io“, b˜timento“ do co’ação, v¢¼ito“ etc. 24. O que é o cerebƒlo e qual é a sua função? É uma parte do encéfalo. ¯uncio½a co¼o ó’gão de equilíb’io do co’po e co¾’dena o“ no“so“ mo¥‰mento“. 20. «nde está situado o encéfalo e co¼o ele é fo’mado? O encéfalo está aloŠado dentro do crânio e é fo’mado po’ céreb’o, cerebƒlo e b§lb¾.

59 25. O que é o céreb’o? É a po’ção maio’ do encéfalo, respo½sávƒl pela memó’ia, pela inteligência e pelo racio}ínio. 26. O que é o sistema nerv¾“o periférico? É o co½junto de nerv¾“ e terminaçõƒs nerv¾“as que liga to‚o“ o“ ó’gão“ ao sistema nerv¾“o central. 27. Qual é a função do sistema nerv¾“o autô½o¼o? É respo½sávƒl pelo“ ato“ inv¾Œuntário“. 28.C‰te ativ‰dades que o}o’rem no no“so co’po independentemente da no“sa v¾½tade: ¯uncio½amento do co’ação, do“ pulmõƒs, do estô¼ago; dilatação e co½tração das pupilas etc. Lembre que: • No primeiro ano de vida, o cérebro duplica de tamanho. E esse aumento se deve ao desenvolvimento dos sentidos: visão, audição, paladar, olfato e tato. • Células fotossensíveis: são células sensíveis à luz. Nos olhos humanos há dois tipos: os cones (possibilitam a visão em cores) e os bastonetes (permitem enxergar à noite). • O som entra pelo duto auditivo, faz vibrar o tímpano, os ossículos (martelo, bigorna e estribo) e passa para o labirinto onde existe a cóclea: estrutura com milhares de minúsculos cílios que passam a mensagem sonora para o cérebro. Martelo Bigorna Estribo Cóclea Tímpano 

60 29. Po’ que o céreb’o duplica no primeiro ano de v‰da? Po’que o“ no“so“ sentido“ se desenv¾Œvƒm. 30. Quais são o“ no“so“ sentido“? ²isão, audição, paladar, oŒfato e tato. 31. O que são células fo”o“sensívƒis? ¬ão células sensívƒis à luz. 32. Quais são as células fo”o“sensívƒis do oŒho? Qual a sua impo’tância? «s co½es e o“ b˜sto½etes. «s co½es no“ po“sib‰litam a v‰são em co’es; o“ b˜sto½etes no“ permitem en- xergar à no‰te. 33.C¾¼o se chamam o“ três o“sículo“ ligado“ ao tímpano? Martelo, b‰go’na e estrib¾. 34. C¾¼o é o caminho do so¼ até o céreb’o? O so¼ entra pelo duto auditiv¾, faz v‰b’ar o tímpano, o“ o“sículo“ e passa para o lab‰rinto o½de existe a có}lea. EŒa é uma estrutura co¼ milhares de minúsculo“ cílio“ que passam a mensagem so½o’a para o céreb’o. • Papilas: são pequenas estruturas existentes na língua pelas quais sentimos o sabor, formado por quatro sabores básicos: salgado, doce, amargo e azedo (ácido) e a combinação deles. • O olfato está ligado ao paladar. Isso explica porque quando ficamos gripados temos o olfato e o paladar diminuídos; sem o auxílio do olfato, torna-se difícil identificar o sabor dos diferentes alimentos. • Pele: é o maior dos órgãos sensoriais. Nela há sensores que respondem à temperatura, à dor etc. • Dor: mecanismo de defesa que impede que nos machuquemos seriamente. Salgado Doce Azedo Amargo Papilas gustativas

61 35. Que sab¾’es a no“sa língua co½segue detectar? ®o}e, salgado, amargo, azedo e o§tro“ sab¾’es que são a co¼b‰nação desses quatro. 36. C¾¼o sentimo“ o paladar do“ ali- mento“? Po’ meio de pequenas estruturas existentes na língua: as papilas, que percebƒm o sab¾’ do“ ali- mento“, que se asso}iam ao oŒfato para dar o sentido do paladar. 37. Qual é o maio’ do“ no“so“ ó’gão“ senso’iais? A pele. 38.O que é do’? Para que servƒ? ®o’ é um mecanismo de defesa do no“so co’po. EŒa impede que no“ machuquemo“ seriamente. 39. Po’ que quando ficamo“ gripado“ to’na-se difícil identificar o sab¾’ do“ diferentes alimento“? Po’que o oŒfato está ligado ao paladar e amb¾“ são diminuído“ quando ficamo“ gripado“. 40. C¾¼plete as frases co¼ as palav’as do quadro: ó’gão“ - b˜sto½etes - martelo amargo - o“sículo“ - paladar salgado - papilas - azedo a) No“ oŒho“ humano“ há do‰s tipo“ de células fo”o“sensívƒis: o“ co½es e o“ b˜sto½etes . b)«s ó’gão“ do“ sentido“ são cinco: v‰são, audição, pala- dar, oŒfato e tato. c) «s o“sículo“ ligado“ ao tím- pano são: martelo , b‰go’na e estrib¾. d) Papilas são pequenas estru- turas existentes na língua pelas quais sentimo“ o paladar . e) No“so paladar co½segue sentir qua- tro sab¾’es bšsico“: salgado , do}e, amargo e azedo (ácido).

62 CONTEÚDOS: • As diferenças e semelhanças entre os animais • O comportamento animal • A alimentação dos seres vivos • A reprodução das plantas BLOCO 9 Lembre que: • Os animais são seres vivos. O conjunto de animais da natureza forma o reino animal ou a fauna. • A maioria dos animais precisa de oxigênio para viver. Ele é obtido pela respiração. Animais Características Grupos/exemplos Vertebrados Têm coluna vertebral. Mamíferos (homem, cão...), aves (galinha, papagaio...), peixes (tubarão, cavalo- -marinho...), répteis (jacaré, cobra...), anfíbios (sapo, rã...). Invertebrados Não têm coluna vertebral. Insetos, aracnídeos (aranhas, escorpiões e carrapatos), vermes, minhoca, crustáceos (camarão, siri...), moluscos (caracol, polvo...), estrela-do-mar... Forma de respiração Exemplos Pulmões Homem, aves, cavalo, cão, tartaruga... Pele e pulmões Sapo, rã, perereca... Brânquias Peixes Superfície do corpo Minhoca Hábitat Disponibilidade de água Exemplos de animais Terrestre Os animais terrestres obtêm água por meio da alimentação e/ou bebendo água. Homem, cão, girafa, rinoceronte... Aquático Os animais aquáticos vivem na água dos oceanos, rios e lagos. Peixes, camarão, lagosta, baleia... Animais Alimentação Exemplos Herbívoros Vegetais Cavalo, girafa, carneiro, boi... Carnívoros Carne de outros animais Onça, leão, lobo, tigre, gato... Onívoros Vegetais e carne Homem, galinha, peixe, porco, barata... • Os animais dependem da água para viver. Ela é necessária para as transformações químicas e para o transporte de substâncias que ocorrem no corpo.

63 1. C¾¼plete as afirmaçõƒs: a) O amb‰ente em que v‰vƒm o“ ani- mais recebƒ o no¼e de háb‰tat . b)A maio’ia do“ animais precisa de o¦igênio para so|’ev‰vƒr. c) O co½junto de animais da natu- reza fo’ma o reino animal o§ fauna. d) E¼ sua respiração, o“ animais ab“o’vƒm o o¦igênio do ar. 2. E“crev˜ ao lado do no¼e do ani- mal a sua fo’ma de respiração: a) ±ub˜rão b’ânquias b) Minho}a superfície do co’po c) C˜cho’ro pulmõƒs d) ¬apo pele e pulmõƒs e) ±artaruga pulmõƒs f) Po¼b¾ pulmõƒs g) Sardinha b’ânquias h) Pardal pulmõƒs i) G˜to pulmõƒs j) Atum b’ânquias 3. Po’ que o“ animais precisam de água para so|’ev‰vƒr? Po’que a água é necessária para as transfo’maçõƒs químicas e para o transpo’te de sub“tâncias que o}o’rem no co’po. 4. C¾¼o o“ animais terrestres o|”êm água? EŒes o|”êm água po’ meio da alimentação, mas alguns tambñm precisam bƒbƒr água. 5. O que são animais aquático“? Animais aquático“ são aqueles que v‰vƒm na água do“ o}eano“, rio“ e lago“. 6. C¾¼o po‚emo“ classificar? a) animais carnív¾’o“ ¬ão aqueles que se alimentam de carne. b)animais herb v¾’o“ ¬ão animais que se alimentam de vƒgetais. c) animais o½ív¾’o“ ¬ão aqueles que se alimentam tanto de carne co¼o de vƒgetais. 

64 7. C¾¼o se chamam o“ animais que não têm coŒuna vƒrteb’al? ®ê exemplo“: °nvƒrteb’ado“. E¦emplo“: mo“ca, bƒso§ro, camarão etc. 8. C¾¼o se div‰dem o“ animais vƒrte- b’ado“? E¼ cinco grupo“: mamífero“, avƒs, peixes, répteis e anfíb‰o“. 9. ®ê exemplo“ de: a) mamífero“ o½ça, goŒfinho, rato etc. b)avƒs papagaio, bƒija-flo’, avƒstruz etc. c) peixes tub˜rão, atum, piranha etc. d) répteis tartaruga, lagartixa, lagarto etc. e) anfíb‰o“ rã, salamandra, co|’a-cega etc. Lembre que: • Comportamento animal: são as diferentes atividades dos animais em seu ambiente. – Proteção à prole: muitos animais cuidam de seus filhos. Ex.: Os mamíferos amamentam os filhotes até eles serem capazes de conseguir seu alimento. – Cooperação: é a associação de duas espécies de seres vivos com vantagens para ambas. Ex.: Nas fazendas de criação de gado, é comum observarmos certas aves, como o anu, comendo carrapatos, que atacam os bois. – Defesa: os animais agem de diferentes formas quando se sentem ameaçados. Ex.: A cascavel procura fugir quando se sente ameaçada. Se isso não é possível, ela se enrola, preparando o bote e agitando o seu guizo como sinal de alerta. Como último recurso, tenta picar o agressor ou invasor. – Demarcação de território: muitos animais marcam o seu território para evitar intrusos. • Território: é o espaço utilizado por um animal para viver. Ex.: O cachorro marca o território com sua urina. O leão também faz isso. Ursos marcam árvores com suas unhas. E muitas aves cantam avisando intrusos para saírem do seu território. 

65 10. O que é co¼po’tamento animal? C¾¼po’tamento animal são as diferentes ativ‰dades do“ animais em seu amb‰ente. 11. C‰te alguns co¼po’tamento“ do“ animais: Pro”eção à proŒe, co¾¿eração, defesa e demarcação de territó’io. 12. C¾¿ie to‚as as frases, retirando o não, quando necessário, para que fiquem co’retas: a) A maio’ia do“ peixes não cuida da sua proŒe, mas o aripuanã macho aco¼panha seus filho”es. A maio’ia do“ peixes não cuida da sua proŒe, mas o aripuanã macho aco¼panha seus filho”es. b)As avƒs não co½stroƒm ninho“ e não b§scam alimento“ para seus filho”es. As avƒs co½stroƒm ninho“ e b§scam alimento“ para seus filho”es. c) Nas fazendas de criação de gado, não é co¼um o|“erv˜rmo“ anus co¼endo carrapato“, que atacam o“ b¾‰s. Nas fazendas de criação de gado, é co¼um o|“erv˜rmo“ anus co¼endo carrapato“, que atacam b¾‰s. d) A emb˜úb˜ não fo’nece mo’adia às fo’migas. A emb˜úb˜ fo’nece mo’adia às fo’migas. 13. O que é territó’io? É o espaço utilizado po’ um animal para v‰vƒr. 14. O que é co¾¿eração? É a asso}iação de duas espécies de seres v‰v¾“ co¼ v˜ntagens para amb˜s. 15. Po’ que muito“ animais marcam o seu territó’io? Para identificar o espaço que o}upam e co¼ isso afastar animais intruso“. 

66 16. Analisando cada frase ab˜ixo, re- gistre o co¼po’tamento animal: a) A maio’ia do“ peixes não cuida da sua proŒe, mas o aripuranã macho aco¼panha seus filho”es. Pro”eção à proŒe. b)Nas fazendas de criação de gado, é co¼um o|“erv˜rmo“ certas avƒs, co¼o o anu, co¼endo carrapato“, que atacam o“ b¾‰s. C¾¾¿eração. c) «s cacho’ro“ e o“ leõƒs urinam no espaço em que v‰vƒm para ev‰tar intruso“. ®emarcação de territó’io. d) Quando se sente ameaçada, a cascavƒl primeiro tenta fugir; em seguida, se enroŒa, preparando o b¾”e e agitando o guizo; co¼o último recurso, tenta picar o agresso’ o§ inv˜so’. ®efesa. e) A emb˜úb˜ é uma planta que fo’nece mo’adia e alimento às fo’migas. E“tas retrib§em expul- sando o“ predado’es da planta. C¾¾¿eração. f) As avƒs co½stroƒm ninho“ e b§scam alimento para seus filho”es. Pro”eção à proŒe. g) «s urso“ marcam árv¾’es co¼ suas unhas para ev‰tar intruso“. ®emarcação de territó’io. 17. C¾¼plete as frases usando as palav’as do quadro ab˜ixo: a) As diferentes ativ‰dades do“ ani- mais no seu amb‰ente co½stituem o seu co¼po’tamento . defesa - ev‰tar - territó’io ameaçado“ - co¼po’tamento ativ‰dades - espaço diferentes fo’mas de agir 

67 b)±o‚o animal precisa de espaço para v‰vƒr. O espaço utilizado po’ um animal chama-se territó’io . c) «s animais demarcam seu territó’io para ev‰tar intruso“. d) «s animais po“suem diferentes fo’mas de agir quando se sentem ameaçado“ . E“ses co¼po’tamento“ são chamado“ de defesa . 18. Respo½da: O que determina o latido agressiv¾ de um cão? Respo“ta pesso{l. «s gato“ po‚em se to’nar agressiv¾“ quan- do ameaçado“? Respo“ta pesso{l. Fotos:CORELStockPhotoLibrary Lembre que: • O homem, os outros animais e as plantas precisam de alimentos para viver. • As plantas verdes (isto é, aquelas que possuem clorofila) e algumas bactérias conseguem produzir o próprio alimento. • Os demais seres vivos alimentam-se de outros seres vivos. Por exemplo: a aranha come os insetos, que comem as plantas. • Essa relação de dependência alimentar em que seres vivos se alimentam de outros seres vivos chama-se cadeia alimentar. Observe os quadros e as figuras: Produtores: seres vivos que produzem seu próprio alimento. Exemplo: plantas verdes e algumas bactérias. Fotossíntese: processo realizado pela maioria dos produtores para fabricarem seu próprio alimento. luz é absorvida pela clorofila (substância verde existente nas folhas) – glicose e outros alimentos são transportados para toda a planta (seiva elaborada) – gás oxigênio liberado pelas folhas. – raiz retira água e nutrientes minerais do solo – (seiva bruta) – gás carbônico absorvido pelas folhas.

68 Energia solar. Os vegetais alimentam a vaca. A onça morre e seu corpo é decomposto por bactérias e fungos, formando sais minerais. Os sais minerais produzidos na decomposição fertilizam o solo e são absorvidos pelas plantas. Processo de fotossíntese. Consumidores: seres vivos que não produzem seu próprio alimento. Consumidores Característica Exemplos Herbívoros Alimentam-se de vegetais. Coelho, veado, anta, cavalo... Carnívoros Alimentam-se da carne de outros animais. Onça, cobras, lobo-guará, leão... Onívoros Alimentam-se tanto de vegetais como de carne. Homem, porco, galinha, barata, rato... Cadeia alimentar A vaca alimenta a onça. Decompositores: seres vivos que transformam plantas e animais mortos em adubo natural (nutrientes para fertilização do solo). Exemplos: fungos e bactérias. Lembre que: A figura representa a relação de dependência alimentar entre vários seres vivos. O ponto de partida é a energia luminosa, que permite a síntese de nutrientes pelas plantas.

69 23. O que é clo’o„ila e qual é a sua impo’tância na fo”o“síntese? A clo’o„ila é uma sub“tância vƒrde enco½trada nas foŒhas da maio’ia das plantas. ¬ua impo’tância está em ab“o’vƒr luz para que o}o’ra a fo”o“síntese. 24. O que são animais o½ív¾’o“? ®ê exemplo“: «nív¾’o“ são o“ animais que se alimentam tan- to de vƒgetais co¼o de carne. E¦emplo“: galinha, b˜rata, rato etc. 25. Po’ que as plantas vƒrdes são chamadas de seres pro‚uto’es da cadeia alimentar? EŒas são chamadas de pro‚uto’es po’que são seres que fab’icam seu pró¿rio alimento. 19. O que é uma cadeia alimentar? É a relação de dependência alimentar em que seres v‰v¾“ se alimentam de o§tro“ seres v‰v¾“. 20. C¾¼o são chamado“ o“ seres que fab’icam seu pró¿rio alimento? ®ê exemplo“: E“ses seres são chamado“ de pro‚uto’es. E¦emplo“: as plantas vƒrdes e algumas b˜ctérias. 21. C¾¼o são chamado“ o“ seres que não fab’icam seu pró¿rio alimen- to? ®ê exemplo“: E“ses seres são chamado“ de co½sumido’es. E¦emplo“: herb v¾’o“, carnív¾’o“ e o½ív¾’o“, co¼o o cav˜lo, a o½ça, o po’co etc. 22. Quais são o“ seres deco¼po“ito’es? Qual é a sua função? «s fungo“ e as b˜ctérias são deco¼po“ito’es. EŒes transfo’mam plantas e animais mo’to“ em adub¾ natural. 

70 26. O que é fo”o“síntese? É o pro}esso realizado pela maio’ia do“ pro‚uto’es para fab’icarem seu pró¿rio alimento. 27. O que é seiv˜ b’uta e seiv˜ elab¾’ada? ¬eiv˜ b’uta é a água e o“ nutrientes minerais que a raiz da planta retira do soŒo. ¬eiv˜ elab¾’ada é a glico“e e o§tro“ alimento“ que a planta fab’ica po’ meio da fo”o“síntese e é transpo’tada para to‚a a planta. 28.C¾¼plete as afirmaçõƒs: a) A o½ça é um exemplo de animal carnív¾’o . b)«s fungo“ e as b˜ctérias transfo’mam as plantas e o“ animais mo’to“ em sub“tâncias impo’tantes para a fertilização do soŒo. c) E¼ uma cadeia alimentar, as plan- tas vƒrdes são o“ pro‚uto’es . d) A clo’o„ila, existente nas foŒhas da maio’ia das plantas, ab“o’vƒ a luz , necessária para que a fo”o“síntese o}o’ra. e) O cav˜lo é um exemplo de ani- mal herb v¾’o po’que se alimen- ta de vƒgetais . 29. Pesquise em jo’nais o§ rev‰stas, reco’te e coŒe um exemplo de ser v‰v¾ pro‚uto’ e um exemplo de ser v‰v¾ co½sumido’: Respo“ta pesso{l.